top of page

Ferrovia: Renfe compra 50 por cento do capital da operadora privada tcheca Leo Express


Ferrovia: Renfe compra 50 por cento do capital da operadora privada tcheca Leo Express

A Renfe adquiriu 50 por cento do capital da empresa ferroviária tcheca Leo Express, que opera serviços em diferentes países da Europa Central. A operação, que conta com autorização do Ministério das Finanças e se insere no processo de internacionalização da operadora espanhola, constitui uma oportunidade estratégica de negócio para a Renfe, que visa estabelecer alianças e abrir novos canais de negócio fora do mercado nacional.


Os acordos de investimento e acionistas celebrados entre as empresas espanhola e checa contemplam um aumento de 50 por cento do capital da Leo Express, que é assumido pela Renfe.


A Leo Express é uma empresa privada que começou a operar em 2012 na República Checa e, desde então, tem vindo a desenvolver os seus negócios através da extensão dos seus serviços a países como a Eslováquia e a Polónia, bem como parcerias na própria República Checa. Na Alemanha, desde 2017, a empresa opera um serviço de longa distância entre Berlim e Stuttgart para o FlixTrain.


Do mesmo modo, com o objetivo de fornecer os seus serviços ferroviários através da intermodalidade trem-ônibus, a Leo Express operou várias ligações rodoviárias na República Checa, Eslováquia, Áustria, Polónia e Ucrânia. Atualmente, devido à crise da Covid-19, eles estão limitados a operar serviços ferroviários na República Tcheca, Eslováquia e Polônia.



Internacionalização da Renfe

Como consequência do atual processo de liberalização do sector ferroviário na Europa, a Renfe fixou-se como objetivo no seu Plano Estratégico de alcançar um maior grau de internacionalização. A entrada da Renfe como principal sócia na participação da Leo Express tem um benefício direto para a operadora espanhola, como a atuação em mais três países europeus (República Tcheca, Eslováquia e Polônia) e os recursos e licenças para acessar o mercado alemão.


Da mesma forma, Renfe estaria melhor posicionada para acessar os projetos de alta velocidade planejados na região. A República Checa, a Eslováquia e a Polónia são três países que ainda apresentam um grande potencial para o desenvolvimento das suas infraestruturas de transporte.


Além disso, o desembarque da Renfe na Europa Central e de Leste poderá ter um efeito de arrasto, facilitando o crescimento da atividade internacional de outras empresas espanholas, especialmente as relacionadas com a indústria ferroviária.


Para publicidade, apoio ou parcerias na seção Ferrovia entre em contato através do e-mail: publicidade@revistapubliracing.com.br

Comments


350x250.gif
300.250.png
bottom of page