top of page

CPR: Kris Meeke domina e vence Rali Terras D’Aboboreira


CPR: Kris Meeke domina e vence Rali Terras D’Aboboreira
Kris Meeke/Ola Floen (Hyundai i20 N Rally2)

A dupla Kris Meeke & Ola Floen (Hyundai i20 N Rally2) venceu este sábado, de forma categórica, o Rali Terras D’Aboboreira, terceira prova do Campeonato de Portugal de Ralis (CPR) e segunda do renovado FIA-ERT (European Rally Trophy), ao ser o mais rápido em sete das nove classificativas e terminar com uma diferença de 15.5 segundos para o boliviano Marco Bulacia (Skoda Fabia R5) e mais 5s em relação ao jovem espanhol Alejandro Cachon (Citroen C3 Rally2). Armindo Araújo (Skoda Fabia Rally2 Evo) protagonizou um regresso auspicioso, depois do acidente sofrido em Fafe, e foi o melhor piloto português, batendo a forte concorrência tanto de Ricardo Teodósio (Hyundai i20 N Rally2), que passa a ser agora o novo líder do CPR, como de Miguel Correia (Skoda Fabia Rally2 Evo).


“Foi um bom rali e saio daqui satisfeito e com boas sensações. Todos sabem o motivo da minha presença neste evento. Sinto-me satisfeito, pois procurei andar sempre depressa e a vitória na Power Stage foi uma boa forma de terminar a prova”, declarou o vencedor, depois de dedicar o seu êxito ao malogrado Craig Breen.


Se Meeke andou sempre uns furos acima tanto de Bulacia como de Cachon, apesar das dificuldades de ter sido o primeiro na estrada nas seis classificativas deste último dia, o espanhol ainda chegou, por breves momentos, ao segundo lugar, mas o boliviano acabaria por recuperá-lo. Animado, também, foi o despique entre Ricardo Teodósio, Miguel Correia e Armindo Araújo, um trio que chegou a estar separado por 8 segundos na luta pelo quarto lugar. Mas se Teodósio aludia a alguns pequenos problemas e Correia lamentava falhas na válvula do turbo na segunda passagem por Aboboreira, Armindo era um piloto cada vez mais confiante. “Está a ser um bom regresso, porque vou ganhando confiança e ritmo, conseguindo já colocar os adversários sob pressão”, referia o campeão em título que nas últimas três classificativas deixou, definitivamente, aqueles adversários para trás.

Armindo Araújo/Luís Ramalho (Skoda Fabia Rally2 Evo)
Armindo Araújo/Luís Ramalho (Skoda Fabia Rally2 Evo)

José Pedro Fontes (Citroen C3 Rally2), sem lograr intrometer-se no tira-teimas com o trio já referido, fez uma prova tranquila, tal como Pedro Almeida (Skoda Fabia Rally2 Evo), que terá ficado algo desiludido com o seu desempenho e, pior, sem encontrar uma explicação para tal. Sem rodar ao ritmo de Ricardo Teodósio, Armindo Araújo ou Miguel Correia, Bernardo Sousa (Citroen C3 Rally2) era sétimo classificado quando dois furos arruinaram por completo o seu esforço para se aproximar daquele “comboio”. Quem também não levou boas recordações desta edição do Terras D’Aboboreira foram os dois pilotos do Team Hyundai N | M. & Costas. Pedro Meireles (Hyundai i20 N Rally2), que não teve hipótese de testar antes do rali e depois ainda sofreu uma penalização por falsa partida na Super-Especial de Baião, tentava recuperar ritmo e não só quando o alternador cedeu a dois troços do final. E nessa mesma altura Paulo Meireles (Hyundai i20 N Rally2), com problemas numa roda, também ficou pelo caminho, não evitando uma saída de estrada. Problemas de motor teve ainda Lucas Simões (Ford Fiesta Rally2) que o impediram de rodar a um ritmo mais elevado.


Nas duas rodas motrizes (2RM), a saída de estrada de Ricardo Sousa (Peugeot 208 Rally4), quando restavam quatro troços para o termo da prova, abriu caminho à vitória de Daniel Nunes (Renault Clio Rally4), com o jovem Gonçalo Henriques (Renault Clio Rally5) a conquistar uma excelente segunda posição, na frente de Ernesto Cunha (Peugeot 208 Rally4), o campeão em título da categoria que se atrasou bastante no primeiro dia de prova, devido a um “toque”, mas depois logrou efetuar uma notável recuperação.

Daniel Nunes/Liliana Costa (Renaul Clio Rally4)
Daniel Nunes/Liliana Costa (Renaul Clio Rally4)

O já referido Gonçalo Henriques esteve imparável no Campeonato Júnior, até porque Hugo Lopes (Peugeot 208 Rally4), um dos mais sérios candidatos, sofrera dois contratempos na sexta-feira que o levaram a ser bastante penalizado: falta de potência, um apoio do motor partido e uma penalização à partida da Super-Especial de Baião por não ter pilha no sistema de extinção de incêndio. Mesmo assim, ainda conseguiu trepar até à segunda posição, na frente de Kevin Saraiva (Peugeot 208 Rally4), outro dos que na noite de sexta-feira também penalizou por falta de pilha no sistema de extintores.


Classificação final (oficiosa)

1º, Kris Meeke/Ola Floen (Hyundai i20 N Rally2), 1h07m33,6s

2º, Marco Bulacia/Diego Vallejo (Skoda Fabia Rally2 Evo), a 15.5s

3º, Alejandro Cachon/Alejandro Lopez (Citroen C3 Rally2), a 20.5

4º, Armindo Araújo/Luís Ramalho (Skoda Fabia Rally2 Evo), a 51.3

5º, Ricardo Teodósio/José Teixeira (Hyundai i20 N Rally2), a 1.08.0

6º, Miguel Correia/Jorge Carvalho (Skoda Fabia Rally2 Evo), a 1.25.9

7º, José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroen C3 Rally2), a 1.48.2

8º, Norbert Herczig/Ramon Ferencz (Skoda Fabia Rally2 Evo), a 2.40.9

9º, Pedro Almeida/Mário Castro (Skoda Fabia Rally2 Evo), a 3.35.8

10º, Rakan Al Rashed/Dale Moscat (Skoda Fabia RS Rally2), a 3.26.7

11º, Bernardo Sousa/José Janela (Citroen C3 Rally2), a 3.51.9


2RM

1º, Daniel Nunes/Liliana Costa (Renaul Clio Rally4), 1h16m25.1s

2º, Gonçalo Henriques/Gonçalo Cunha (Renault Clio Rally5), a 20.1s

3º, Ernesto Cunha/Rui Raimundo (Peugeot Rally4), a 37.3

4º, Hugo Lopes/Tiago Neves (Peugeot 208 Rally4), a 1.23.9

5º, Hugo Mesquita/Valter Cardoso (Renault Clio Rally4), a 1.35.2

6º, Kevin Saraiva/Beatriz Pinto (Peugeot 208 Rally4), a 2.56.7

7º, Gonçalo Fernandes/Fernando Miguel (Peugeot 208 Rally4), a 4.27.8

8º, Nuno Coelho/Rafael Paiva (Renault Clio Rally4), a 5.09.3

9º, Pedro Silva/Roberto Santos (Peugeot 208 Rally4), a 5.16.4

10º, Rafael Cardeira/Luís Boiça (Renault Clio R3T), a 5.53.2


Júnior

1º, Gonçalo Henriques/Gonçalo Cunha (Renault Clio Rally5), 1h16m45.2s

2º, Hugo Lopes/Tiago Neves (Peugeot 208 Rally4), a 1.03.8

3º, Kevin Saraiva/Beatriz Pinto (Peugeot 208 Rally4), a 2.36.6

4º, Gonçalo Fernandes/Fernando Miguel (Peugeot 208 Rally4), a 4.07.7

5º, º, Eduardo Santos/José Marques (Peugeot 208 R2), a 12.19.8


A próxima prova será o Vodafone Rally de Portugal (12, 13 e 14 de maio), sendo que para efeitos de pontuação no campeonato os pilotos do CPR (Absoluto) terão que disputar apenas a primeira etapa (sexta-feira), enquanto os 2RM (duas rodas motrizes) têm a sua prova na segunda etapa (sábado).

 

Com jornalistas nos dois lados do oceano, informamos que nossos textos contêm expressões e palavras utilizadas tanto no Brasil como em Portugal, de acordo com a origem do conteúdo e o mercado principal a que se destinam.


Visite nossa Plataforma de Compra e Venda de Veículos e tenha atendimento com especialistas que vão ajudar você a realizar o melhor negócio



Gostou da matéria? – Saiba que a sua contribuição é muito importante para a realização do nosso trabalho de jornalismo independente e totalmente gratuito. Saiba como apoiar aqui


Para publicidade, apoio ou parcerias na seção #Automobilismo entre em contato através do e-mail: publicidade@revistapubliracing.com.br

Comments


350x250.gif
300.250.png
bottom of page