• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Revista Publiracing

Avaliação: Jeep Renegade 4x4 Trailhawk, ele é diferenciado no segmento





A nossa redação recebeu para um teste de alguns dias, aquele que continua sendo um dos mais desejados SUVs compactos disponibilizados para o mercado brasileiro, o Jeep Renegade. Na sua versão mais completa, e também a mais interessante, a Trailhawk, ele vem equipado com motor turbo diesel, e disponibilizando tração integral, para quando necessário.


Com atualizações constantes, a proposta da Jeep vem conseguindo se manter nas primeiras posições da lista dos veículos mais vendidos no Brasil ao longo dos últimos anos, muito particularmente em seu segmento, onde é comum ser a proposta mais comercializada mensalmente.


E as razões para esse ótimo desempenho vão desde uma interessante lista de versões, que tem na inicial, equipada com o motor Flex 1.8 de 16 válvulas, preço sugerido de R$ 82.490, até chegar na versão testada por nós, a Trailhawk, disponibilizadas nas concessionárias da marca por R$ 152.990.


São no total seis (6) versões no catálogo bastante elástico de preços, e naturalmente, de equipamentos. Mas a essência está disponível desde a base do modelo, o visual moderno, capô frontal em posição elevada passando uma postura de envergadura e robustez, espaço interno generoso e acabamento bem interessante.



Competindo no segmento mais competitivo da atualidade, o Jeep Renegade já viu chegar diversas novas propostas ao mercado, mas nunca perdeu seu lugar de destaque, exemplo disso os números de 2020, em que até final do mês de abril ele se mantem como o SUV compacto mais vendido. São 15 325 unidades emplacadas, na frente do Volkswagen T-Cross que totaliza 14 126, Hyundai Creta com 13 146 e ainda o Nissan Kicks com 12 295. Já se olharmos exclusivamente para abril, mês completamente atípico na venda de automóveis no Brasil e no mundo, com concessionárias fechadas em praticamente todo o país, devido ao isolamento necessário pela luta contra a disseminação do novo coronavírus, e apesar disso, um novo produto chegou para ser mais um protagonista no segmento, o novo Chevrolet Tracker, que, com emplacamento de 1395 unidades no quarto mês do ano, deixou o Renegade na segunda posição do segmento com 1153 veículos saídos das concessionárias da marca do grupo FCA. Naturalmente, o recente lançamento do carro da GM e até uma rede de concessionárias com abrangência maior em termos territoriais, podem ter levado a este resultado, e será assim necessário observar o desempenho comercial dos modelos os próximos meses, para saber se o Renegade realmente ganhou mais um forte concorrente.


Vamos então falar especificamente da versão avaliada por nós. Ele tem 4 232 (mm) de comprimento, 1 798 de largura, 1 714 de altura e 2 570 mm de distância entre eixos. Como grandes diferenciais estéticos desta versão mais robusta estão sem dúvida os ganchos de reboque na cor vermelha, dois na dianteira e um na traseira, todo o grupo ótico com iluminação em LED, faróis onde destacamos ainda o lindíssimo DRL de condução diurna circular e os faróis de neblina também harmoniosamente integrados no para choque dianteiro. O rack de teto na cor preta, que se destaca também nas peças plásticas que dão acabamento a toda a parte inferior da carroceria, passando pela caixa de rodas, e ainda sendo destaque na dianteira e traseira do veículo, nos espelhos retrovisores (com sinalizadores de mudança de direção) e ainda na tradicional faixa de cor preto fosco no capô do nosso Jeep.



Fechando nossa observação externa referência para as rodas em liga leve aro 17” com pneus de medida 215/60 de uso misto, escolha interessante e que acompanha a versatilidade da proposta, preparada para encarar algumas aventuras off Road.


O acesso ao interior é realizado através da chave presencial, permitindo observar um habitáculo muito agradável, que mistura elegância com jovialidade, pormenores que destacam seu perfil aventureiro, e peças em material emborrachado para dar consistência e qualidade ao acabamento.


Talvez a ausência mais notada seja o teto solar panorâmico, que está disponível apenas como opcional pelo preço adicional de R$ 8.200. Nesta versão mais completa o item poderia ser de série e tornaria a opção ainda mais competitiva. Apesar dessa ausência a Jeep trabalhou o teto da proposta com acabamento na cor preta, para diferenciar a versão.

O Jeep Renegade é um produto de acabamento bem consistente, especialmente se comparado com outros concorrentes do segmento, já que as peças são bem integradas, sólidas, e os ruídos são mínimos no interior. Até o som do motor diesel, para quem não gosta, chega de forma bem tímida, mostrando o bom trabalho de isolamento acústico realizado no habitáculo. Já que falamos em painel, referir que na versão Trailhawk o acabamento do painel e console é com pormenores e molduras em tom vermelho, preto e prata. Os bancos são de acabamento parcialmente em couro com costura também na cor vermelha, couro que é igualmente utilizado na alavanca do câmbio. Os espaços porta objetos são espalhados de forma prática pelo veículo, incluindo o espaço entre os bancos dianteiros que serve de apoio de braço em ambiente otimizado pelo freio de estacionamento eletrônico que permite mais espaço útil entre os bancos.



Quando aos itens de conforto e tecnologia, podemos destacar os faróis de acendimento automático, sensor de chuva, vidros elétricos com sistema de um toque em todas as portas, ajuste do volante (de ótima espessura) em altura e profundidade, o ar condicionado de duas zonas, encosto de cabeça nas cinco posições, cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes, sendo que os dianteiros permitem ajuste em altura, e com isofix para fixação da cadeirinha infantil. Aliás, já que falamos de segurança, referência para as 7 bolsas de airbag, frontais, laterais, de cortina e de joelhos do motorista.


Ainda falando do interior, elogio para o painel de instrumentos, de 7" colorido e configurável, ele é muito agradável e de fácil interpretação, entregando as informações do computador de bordo, onde são apresentados dados sobre a distância percorrida, consumo médio, consumo instantâneo, autonomia, e tempo de percurso, entre muitas outras importantes informações. Aliás, o painel de instrumentos dos produtos FCA, Jeep ou Fiat, pertencem ao grupo dos que consideramos dos mais práticos e agradáveis.


Retomando a vasta lista de itens disponibilizados pela proposta, merecido destaque para o sistema de áudio com tela de 8.4” com conectividade via Apple Carplay e Android Auto e som distribuído através de 6 alto-falantes. Também pela tela da multimídia são disponibilizadas as imagens da câmera de ré.


Ainda no painel frontal, destaque para outra exclusividade da versão, que é o seletor de 5 diferentes modos de condução e onde podemos escolher também se rodamos com tração 4x2 , 4x4 ou redutora.



É então chegado o momento de dar partida ao ótimo motor turbo diesel que equipa a nossa versão. Mas ainda antes, finalizar nossa observação ao habitáculo referindo que o Renegade entrega um espaço bem generoso no interior, com correta posição de condução e oferendo conforto generalizado a todos os ocupantes. A maior ressalva fica por conta do porta-malas, que com 260 litros é o menor entre os concorrentes mais próximos, todos entregando pelo menos 400 litros de espaço disponível para bagagem.


A motorização diesel de 1956 cc entrega 170 cavalos a 5750 rpm e ótimo torque de 35,69 kgfm logo nas iniciais 1750 rpm. Com isso este propulsor turbo mostra imediatamente suas qualidades, entregando força a baixas rotações, assim como reagindo muito rápido aos movimentos do pé direito. Já o dissemos em matéria que realizada em 2019, quando o modelo também visitou nossa redação, que este conjunto mecânico, do qual faz parte o câmbio automático de 9 marchas é o que melhor traduz o DNA da Jeep no modelo, além de ficar mais próximo do conceito de um SUV, entregando conforto e tecnologia associados a uma capacidade de ir mais além no fora de estrada. Para esta maior liberdade na terra por caminhos mais exigentes, a marca entrega o Trailhawk com proteção para importantes componentes ou áreas do carro, como assoalho, cárter, tanque de combustível e transmissão.


O câmbio permite trocas de marcha no volante através das chamadas borboletas, e é responsável por muita da versatilidade do modelo, com trocas realizadas em níveis de rotação baixas, ou ainda interpretando muito bem o nível de intensidade que aplicamos no acelerador. Com isso o Renegade Trailhawk pode ser um ótimo companheiro para o dia a dia na cidade, e ainda reagindo com muita competência em situações de maior exigência em estrada, com potência sempre disponível, sem esquecer seu bom desempenho no offroad, com força e capacidade de tração quando nos aventuramos aos finais de semana.


Mais elogios para a direção elétrica de arquitetura irrepreensível, proporcionando muita segurança em todas as circunstâncias. A suspensão foi elevada em cerca de 2,5 cm para melhorar a dinâmica no fora de estrada, no entanto, destacamos mais um bom trabalho da engenharia da marca que deixou o veículo muito equilibrado, com ótimo comportamento em estrada, suave na cidade, e mais apto na terra ou lama, principal foco na evolução do modelo no componente. Tecnicamente a escolha que acompanha o Renegade Trailhawk é pela opção de suspensão independente nas quatro rodas, justificando assim muito do comportamento versátil do modelo.



Antes de falar dos freios, deixar uma lista de itens de série que ajudam no conforto e segurança. São eles, o controle de tração, eletrônico de estabilidade e anti capotamento, o controle eletrônico de velocidade em descida e auxilio de saída em rampa.


Voltado aos freios elogios naturalmente para a opção técnica pelos discos nas quatro rodas (ventilados na frente e sólidos atrás), solução que proporciona respostas mais eficazes diante do maior peso do modelo, no caso da nossa versão diesel são 1674 kg, praticamente 300 kg a mais que a versão Flex.


Outro item que está de acordo com a proposta é o tanque de combustível com volume para 60 litros de diesel o que proporciona uma boa autonomia já que em nosso circuito misto, nosso Renegade fechou o teste com 10,9 km/l de média, resultado interessante, especialmente porque se utilizado exclusivamente em estrada, ele vai fácil para um consumo instantâneo acima de 12 km/l, chegando então a uma autonomia e cerca de 750 km, algo bem atraente para o SUV compacto.



Conclusão do editor – O Jeep Renegade na versão diesel 4x4 Trailhawk, representa a essência, tanto da marca, e seu tradicional DNA offroad, como da própria originalidade do Veículo Utilitário Esportivo, capaz de ser um confortável e tecnológico carro para o dia a dia, ao mesmo tempo, disponibilizando real capacidade em permitir descobrir novos caminhos com ele. Um veículo delicioso que vem sendo atualizado corretamente e que se mantém em ótimo nível. Se para as versões Flex reservamos algumas ressalvas, nesta proposta, ele expõem seu grande diferencial em relação aos seus concorrentes no segmento de SUVs compactos, e serve para dar uma amplitude inédita ao lineup de opções do segmento. Em resumo, esta opção do Renegade sempre deixa saudades por aqui.


Para publicidade, apoio ou parcerias na seção Avaliações e Comparativos entre em contato através do e-mail: publicidade@revistapubliracing.com.br




Laja Revista Publiracing
Reserve seu espaço