• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Revista Publiracing

Avaliação: Porsche 718 Boxster GTS, magia e esportividade sem limites

Atualizado: 25 de Dez de 2019


Falar de um legitimo representante da marca Porsche pode até inicialmente parecer difícil, especialmente quando se trata de uma versão ainda mais exclusiva como o 718 Boxster GTS. O receio era o de um texto muito extenso, no intuito de listar de forma pormenorizada as particularidades do modelo. Mas a Porsche simplifica, deixando tanto questões mecânicas, dinâmicas ou tecnológicas tão evidentes, que fica tudo bem mais fácil, acreditando que conseguiremos passar para nosso leitor o quanto é mágico e especial esta versão de dois lugares do esportivo da Porsche.

Sem dúvida que a cor da unidade disponibilizada para nosso teste consegue destacar de forma incrível, tanto o design como sua esportividade. O modelo tem a postura dos clássicos esportivos de dois lugares, com motor central e capota retrátil elétrica.

São 4.379 mm de comprimento, 1.994 de largura (incluindo os espelhos retrovisores esternos), apenas 1.272 de altura e 2.475 mm de distância entre eixos. Com estas dimensões o Porsche 718 Boxster GTS expõe toda a elegância e esportividade do modelo que tem como destaques no design o revestimento da dianteira Sport Design com spoiler preto. Faróis bixênon escurecidos e lanternas dianteiras opacas completam o design dianteiro do GTS. Disponibilizado como opcional, o Porsche Dynamic Light System (PDLS) inclui luz diurna de quatro pontos, luz de curva, sistema de limpeza dos faróis e regulagem dinâmica do alcance de luz no visual desejado. Também a pedido, os modelos GTS podem ser equipados com faróis principais de LED com o PDLS Plus.

Na lateral, destaque para os espelhos retrovisores na cor da carroceria e com suporte em preto brilhante harmonizando com as peças neste tom espalhadas pelo carro como as entradas de ar laterais para o motor , as inscrições GTS em preto na parte inferior esquerda das portas, e as esportivíssimas rodas de 20 polegadas, que são pintadas em preto acetinado e onde são instalados pneus de medida 235/35 ZR 20 na dianteira e 265/35 ZR 20 na traseira. Ainda olhando para a traseira do modelo, as lanternas são escurecidas e as saídas de escape esportivas igualmente escuras e centralizadas. Além disso, logo abaixo da tampa traseira, e mais uma vez utilizando o preto fosco, fica evidente a inscrição Porsche Boxster GTS.

Ainda antes de passar para o interior, descrever a forma inteligente que a Porsche utiliza para reservar espaço para bagagens. Tanto o capô dianteiro como a tampa traseira são integrados de forma elegante na esculpida carroceria do nosso 718 Boxster GTS. Estes dois interessantes espaços oferecem na sua totalidade 275 litros (dianteiro150 l, traseiro 125 l). No dianteiro temos ainda que dividir o espaço com o estepe, o que “rouba” um pouco mais do volume, no entanto são bem interessantes estes dois espaços, diria até que surpreenderam pela sua configuração e ao possibilitar que duas pessoas possam viajar de forma tranquila sem ter que restringir muito sua bagagem.

Para dar as boas vindas ao interior de nosso carro, a inscrição GTS é gravada em preto nas soleiras das portas. As inscrições GTS também estão presentes no tacômetro e nos encostos de cabeça, além da tela TFT que também cumprimenta os seus passageiros com a inscrição GTS ao ser iniciada relembrando da exclusividade da máquina que dirigimos.

Com o pacote de interior GTS opcional, e que fazia parte da unidade gentilmente cedida pela Porsche para este teste, é possível refinar ainda mais o habitáculo. O pacote inclui faixas dos cintos, inscrições bordadas nos encostos de cabeça e costuras nos bancos e nos tapetes, e utilizando as cores contrastantes, vermelho carmim ou calcário. O mostrador do tacômetro também é mantido na cor selecionada. Opcionalmente, também é possível obter os frisos decorativos do painel de instrumentos e do console central em alumínio escovado e anodizado.

Mas a elegância, não esconde a praticidade, quase simplicidade, característica que se pede a um veículo de essência verdadeiramente empolgante. O volante é naturalmente esportivo e como nossa unidade vinha com o opcional de transmissão PDK, que nada mais é que o Porsche Doppelkupplung, um câmbio automático de sete marchas, com o Porsche Torque Vectoring (PTV) e bloqueio mecânico transversal, com isso atrás do volante ficam disponíveis as borboletas para trocas manuais, algo que faz todo o sentido neste veículo.

Destaque também para a prática multimídia que além de outras funcionalidades permite visualizar informações de trânsito em tempo real, naturalmente conectar o celular e ainda entrega um ótimo sistema de áudio, que mantem a qualidade do ambiente sonoro, mesmo quando dirigimos com a capota aberta.

Quando a espaço ele é bastante generoso para os dois ocupantes quando falamos de braços, tronco e pernas, “sobrando” logo atrás dos passageiros, um pequeno espaço entre os bancos e a área destinada ao motor, o que permite levar pouco mais que uma pequena sacola.

Devidamente acomodados em nosso banco esportivo, rodamos a chave para dar partida ao motor e ter a felicidade de ouvir uma verdadeira sinfonia que é a sonoridade do motor boxer com superalimentação turbo, de 2.497 cm³ e que entrega 365 cv nas 6.500 rpm. Este propulsor é um quatro cilindros (quatro válvulas por cilindro) disponibilizando 430 Nm de torque nesta versão de câmbio PDK (420 na versão de câmbio manual) e que entrega toda a sua capacidade entre as 1.900 e 5.000 rpm.

Nosso teste percorreu cerca de 700 km com o modelo, dos quais apenas 100 foram nas ruas da cidade de São Paulo. Obviamente ele não é um carro para o dia a dia urbano, mas sinceramente, se deu muito bem por lá. Suave em seu deslocamento, nem sua suspensão totalmente vocacionada para uma postura esportiva deixou de satisfazer na cidade. Aliás, para um esportivo com baixíssimo centro de gravidade, por vezes fica difícil entrar e manobrar com este perfil de veículos em espaços como garagens, estacionamentos ou condomínios. Sua baixa altura em relação ao solo, com ângulos de entrada e saída mínimos, levam a ter os habituais cuidados com estes esportivos, mas no caso do Porsche 718 Boxster GTS o resultado foi muito interessante, e com cuidado conseguimos acessar a praticamente todos os lugares a que nos propusemos.

Mas seu habitat natural é a estrada, cenário para desfrutar de toda a capacidade desta joia germânica, faça chuva ou faça sol. E efetivamente pudemos observar e nos surpreender, com a qualidade do acabamento da capota retrátil, que com chuva e vento, em um momento de nosso teste, além da própria velocidade do veículo, isola de forma muito eficaz todo o habitáculo. Já após a abertura da capota, realizada de forma elétrica e rápida, um mundo de emoções literalmente se abre para os passageiros do veículo. Sem capota os passageiros são protegidos pelo ótimo escoamento do vendo que mantem integro em termos sonoros o ambiente interno, e reflexo de muita experiência da Porsche no desenvolvimento de esportivos de carroceria cabriolet.

Mas o coração de cada carro esportivo da Porsche sempre foi o motor boxer. No 718 GTS, um motor turbo trabalha atrás dos passageiros e instalado como motor central, praticamente escondido. O torque máximo de 430 Nm em conjunto com PDK se dá entre 1.900 e 5.000 rpm.

Com isso, ele é disponibilizado muito mais cedo do que no modelo GTS anterior, com motor boxer de seis cilindros. Em combinação com o câmbio manual de seis marchas, o torque máximo de 430 Nm se dá entre 1.900 e 5.000 rpm. O motor turbo gera 11 kW (15 cv) a mais do que nos modelos 718 S e até 26 kW (35 cv) a mais do que no modelo GTS anterior com motor aspirado.

O aumento da potência é possível através de um novo coletor de admissão com maior volume, bem como de um turbocompressor otimizado com geometria variável das turbinas (VTG) e pressão de admissão mais alta. Ao invés da pressão de admissão máxima de 1,1 bar, como no 718 S, o monoturbocompressor otimizado com VTG, um compressor maior pressiona até 1,3 bar de ar nas câmaras de combustão. Com isso, o alto patamar de torque começa já a baixas 1.900 rpm, permanecendo constante no valor máximo até 5.000 rpm.

Em termos de reações o modelo é incrível, transmitindo absoluta segurança em qualquer circunstância em que a potencia seja necessária, e requisitada. Como modelo de tração traseira, o resultado de toda a tecnologia embarcada são valores de tração melhores e uma aceleração mais rápida. Com isso, nosso modelo atinge os 100 km/h em apenas 4,1 segundos sendo que a velocidade máxima anunciada pela marca é de 290 km/h.

Já que falamos de esportividade e da qualidade mecânica, um olhar especial para a eficiente transmissão Porsche Doppelkupplung (PDK). O PDK une o alto grau de eficiência de um câmbio manual com o conforto das passagens de marcha de uma transmissão automática. As trocas são rápidas e sem interrupção da tração, aliadas a uma leve sobreelevação do torque nos programas Sport, melhorando as taxas de aceleração e possibilitando acelerações ainda mais rápidas. Ao mesmo tempo, a amplitude e a configuração das trocas de marchas ideais realizadas pelo PDK melhoram a eficiência quando dirigindo, por exemplo, na cidade, entendendo a tecnologia de forma muito inteligente a pressão que é realizada no pedal do acelerador, por isso mesmo, ele se torna até surpreendentemente eficaz em termos de consumo, terminando nosso teste com média de 9,1 km/l de gasolina .

Integrado no pacote Sport Chrono, o comutador de modo no volante esportivo, de apenas 360 milímetros de diâmetro, permite selecionar quatro programas de direção diferentes: Normal, Sport, Sport Plus e Individual. Com o modo Sport ativado, o motor responde de forma ainda mais direta. Neste programa de direção, o PDK é configurado para uma relação de marchas mais curtas e ao reduzir a marcha, a dupla embreagem é acionada automaticamente. No modo Sport Plus essas características são ainda mais acentuadas para obter o máximo em performance. Neste modo, a função Launch Control também possibilita uma partida de corrida. Além disso, nos veículos com PDK é possível ativar a função “Sport Response” através do comutador. O motor e a transmissão preparam-se então para o desenvolvimento de potência o mais rápido possível, o turbocompressor acumula pressão mais rapidamente. Isso garante uma capacidade máxima de resposta durante aproximadamente 20 segundos.

Mas estes são privilégios para quem pode usufruir do 718 Boxster GTS no traçado de uma pista, o que permite tirar dele todos os seus inacabáveis recursos.

Mas muito do irrepreensível comportamento dinâmico do nosso Porsche é devido ao ótimo chassi. Claro que o conjunto da suspensão com o sistema de amortecimento, e naturalmente seu ajuste, são ótimos aliados do fantástico resultado. O Porsche Active Suspension Management (PASM) com controle eletrônico dos amortecedores de vibração e a suspensão com molas de aço, e no caso da nossa unidade com rebaixamento de 10 mm, fazendo parte do pacote que tem ainda suspensão em construção leve do tipo McPherson em ambos os eixos, solução técnica otimizada pela Porsche.

Ainda restam dois importantes componentes de nosso veículo. Primeiro a direção, eletromecânica com transmissão variável, entregando reações incrivelmente precisas, outra coisa não seria de esperar de um veiculo que é praticamente um carro de corrida. E já que falamos em corrida, não poderíamos deixar de falar do fantástico sistema de freios.

Ele funciona em dois circuitos, com divisão por eixo, servo freio hidráulico com assistente de frenagem e freio de estacionamento de acionamento elétrico com função Hold.

Os freios são com pinça fixa monobloco em alumínio com quatro pistões, com discos de ferro fundido perfurados e com ventilação interna. O diâmetro dos discos é de 330 mm e a espessura 34 mm, na frente, e na traseira, diâmetro de 299 mm e espessura de 20 mm.

Naturalmente os 1.405 kg de peso do nosso Porsche 718 Boxster GTS são tarefa fácil para tamanha capacidade de frear com equilíbrio através de toda a tecnologia disponível para o condutor, que se sente praticamente um piloto.

Conclusão do editor: O Porsche 718 Boxster GTS reserva várias características que lhe conferem um DNA de exclusividade praticamente irretocável. São apenas dois lugares, o fato de ser conversível e sua origem numa das marcas que melhor sabem traduzir a experiência apaixonante de dirigir um automóvel. E se tudo isso não bastasse, design e comportamento dinâmico da mais pura essência esportiva, o que prova que um automóvel ainda pode surpreender, ir mais além, ser apaixonante e único. Um privilégio para poucos e que graças ao gentil convite da Porsche no Brasil, podemos admirar em nossa garagem por alguns dias.

#TESTEAVALIAÇÃO #OPINIÃO #PORSCHE #AUTOMÓVEIS

Laja Revista Publiracing
Reserve seu espaço