• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Revista Publiracing

Industria de motocicletas produz mais de 91 mil unidades em Julho


A indústria de motocicletas mantém o seu ritmo de crescimento. De acordo com dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, em julho foram produzidas no polo industrial de Manaus 91.713 motocicletas, representando alta de 34,6% na comparação com o mês anterior (68.121 unidades).

Na comparação com julho de 2018, a produção caiu 4,8% (96.338 unidades). Esse desempenho não alterou a curva ascendente das fabricantes. De janeiro a julho, foram produzidas 628.818 unidades, volume 6,3% superior ao registrado no mesmo período do ano passado (591.753 unidades).

Na avaliação de Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, a recuperação do setor continua a ser impulsionada pela renovação da frota e, principalmente, pela maior oferta de crédito. “Isso impacta diretamente a cadeia produtiva. Hoje cerca de 70% das vendas de motocicletas são financiadas via CDC (Crédito Direto ao Consumidor) e pelo Consórcio”, afirma. “Aliado a isso, a motocicleta é uma alternativa viável de transporte para a maioria dos consumidores, graças ao menor custo de manutenção e ao baixo consumo de combustível ”, explica.

VENDAS NO ATACADO

Em julho, as vendas no atacado somaram 87.240 unidades, aumento de 21% na comparação com junho (72.121 unidades) e queda 1,7% no mesmo período do ano passado (88.754).

No acumulado do ano, as fábricas repassaram para as concessionárias 616.133 motocicletas, o que corresponde a um crescimento de 14,1% ante as 539.945 registradas no mesmo período de 2018.

EMPLACAMENTOS

Segundo levantamento do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) analisado pela Abraciclo, em julho houve emplacamento de 90.048 motocicletas, correspondendo a um aumento de 18,1% na comparação com o mesmo mês de 2018 (76.226 unidades) e de 12,5% em relação a junho (80.023 motocicletas).

Ainda segundo dados do Renavam, nos sete primeiros meses de 2019 foram emplacadas 620.082 motocicletas, volume 16,3% superior às 532.955 unidades licenciadas no mesmo período do ano passado.

Com 23 dias úteis, a média diária de vendas de julho foi de 3.915 unidades. Segundo dados analisados pela Abraciclo, é o melhor resultado para o mês desde 2015 (4.684 unidades/dia). Esse desempenho foi 13% superior ao registrado no mesmo mês de 2018 (3.465 unidades/dia, com 22 dias úteis) e 7,1% menor ao alcançado em junho deste ano (4.212 unidades/dia, com 19 dias úteis).

EXPORTAÇÕES

Em julho foram embarcadas 2.788 unidades para o exterior. De acordo com dados do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat, que registra os volumes de embarques totais de cada mês, analisados pela Abraciclo, a Argentina é o maior parceiro comercial, com 1.318 e 45,2% de participação no total exportado. Na sequência, estão os Estados Unidos (880 e 30,2%) e a Colômbia (358 e 12,3%).

No acumulado do ano, as exportações somaram 23.180 unidades, o que representa queda de 49,9% em relação ao mesmo período de 2018 (46.258 motocicletas). Ainda de acordo com dados do Comex Stat, de janeiro a julho foram embarcadas 11.632 motocicletas (48,6% de participação) para Argentina. Os Estados Unidos ficaram em segundo lugar (4.313 e 18%), seguidos pela Colômbia (2.953 e 12,3%).

DESEMPENHO POR CATEGORIA NO ATACADO

Em julho, a Street foi a categoria de motocicleta mais vendida no Brasil, com 45.009 unidades (51,6% de participação). Na sequência ficaram a Trail (18.228 e 20,9%), Motoneta (11.115 e 12,7%) Scooter (7.595 e 8,7%) e Naked (1.997 e 2,3%).

As posições foram mantidas no ranking que mostra o desempenho de vendas nos sete primeiros meses de 2019: Street (310.258 e 50,4%), Trail (120.798 e 19,6%); Motoneta (91.526 e 14,9%), Scooter (53.485 e 8,7%); e Naked (14.610 e 2,4%).

As características básicas das motocicletas de cada categoria são estas:

Street – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso urbano.

Trail – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso misto, tanto em vias pavimentadas quanto em terreno não pavimentado.

Motoneta – motociclo underbone, destinado ao uso urbano, de baixa cilindrada e dotado de câmbio automático ou semiautomático.

Scooter – Motociclo de câmbio automático ou semiautomático, concebido para privilegiar o conforto.

Naked – Motocicleta sem carenagem, com motor propositalmente exposto e de alto desempenho, concebida para a utilização em terrenos pavimentados. Semelhante a uma motocicleta versão “Sport” sem a carenagem.

Big Trail – Motocicleta de média ou alta cilindrada destinada ao uso misto em terrenos pavimentados e não pavimentados.

Off-Road – Motocicleta de qualquer cilindrada destinada exclusivamente à utilização em pisos não pavimentados.

Custom – Motocicleta caracterizada por sua vocação para percursos de estrada, destacadamente os mais longos, chamadas de “estradeiras”, que não priorizam velocidade e, sim, conforto.

Sport – Motocicletas de cilindradas médias ou superiores com carenagem que privilegia a aerodinâmica e o alto desempenho.

Ciclomotor – Veículo de duas ou três rodas, provido de um motor de combustão interna, cuja cilindrada não exceda a 50 cm³.

Touring – Motocicletas usualmente de alta cilindrada concebidas para utilização em turismo e viagens de grandes distâncias.

DESEMPENHO DE SCOOTERS NO VAREJO

De acordo com dados do Renavam analisados pela Abraciclo, em julho o volume de Scooter comercializado no varejo somou 8.011 unidades, aumento de 55% na comparação ao mesmo mês de 2018 (5.170 unidades) e de 11,3% em relação a junho passado (7.195 unidades).

Nos sete primeiros meses de 2019, os emplacamentos de motocicletas da categoria Scooter atingiram 50.789 unidades, o que corresponde a uma alta de 28% ante as 39.693 unidades licenciadas no mesmo período do ano passado.

Para publicidade e parcerias na seção de Motocicletas entre em contato através do e-mail: publicidade@revistapubliracing.com.br

#MOTOCICLETAS #ABRACICLO

Pensando em vender seu veículo? - Nós compramos !