• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Revista Publiracing
729X90.gif

Avaliação: De motor diesel e 4x4, Renegade Trailhawk é a verdadeira essência do DNA Jeep


O Jeep Renegade recuperou no final de 2018 o posto de SUV Compacto mais vendido no Brasil. Após anos de domínio e perder esse posto, embora se mantivesse sempre entre os três mais vendidos, ele vinha pedindo uma intervenção mais profunda, o que acabou por acontecer no último trimestre do ano passado. A reação do publico foi quase imediata e ele voltou ao topo em Dezembro de 2018. De lá para cá são 27 136 unidades comercializadas até final do mês de maio, mais recentemente com 5 713 unidades emplacadas em abril e 5 754 em maio. Nos dados fornecidos pela Fenabrave o Renegade aparece na frente do seu irmão de casa o Jeep Compass com 22 954 unidades emplacadas, Nissan Kicks com 21 124, Honda HR-V com 19 800 veículos saídos das concessionárias, seguido de muito perto pelo Hyundai Creta com 19 609 emplacamentos.

Ressaltando que consideramos o Compass como um SUV de porte médio, apesar da plataforma de construção ser idêntica ao Renegade, acompanhamos assim uma disputa muito interessante neste segmento, com atualizações que tornam as propostas cada vez mais competitivas, além da chegada de novos atores como os recentes Cactus da Citroën ou T-Cross da Volkswagen que já vendeu em maio 3003 unidades. Também é importante referir que o Jeep Renegade tem uma parcela substancial de suas vendas através da forma de venda direta, especialmente direcionada para frotistas, como locadoras ou outros tipos de empresas ou empresários que com o CNPJ, adquirirem seus veículos diretamente com as marcas beneficiando da isenção de ICMS e ainda, eventualmente, de outro tipo de descontos.

Falando agora exclusivamente do modelo alvo de nossa atenção, nós recebemos na redação a versão mais interessante do Renegade, aquela que expõe toda a essência da marca Jeep e seu DNA off-road, a Traihawk.

Esta versão diesel e tração 4x4 tem preço sugerido de R$ 139.990 sendo uma das duas no catálogo do modelo com a motorização diesel (Longitude tem preço de R$ 127.990). Mas uma das grandes vantagens do Renegade é a elasticidade de sua lista de versões, da inicial Sport de câmbio manual por com preço sugerido de R$ 79.990, ou anda a versão Limited vendida por R$ 105.990 e uma das quatro disponibilizadas com o motor 1.8 Flex.

O design da versão Trailhawk destaca-se por alguns pormenores que o diferenciam, como os ganchos de reboque vermelhos, sendo 2 na dianteira e 1 na traseira, o adesivo no capô, o teto e rack na cor preta, assim como a grade dianteira também em tom escuro, harmonizando com as peças plásticas que contornam toda a carroceria do veiculo. Ainda chama a atenção os retrovisores externos que são elétricos, na cor cinza e incorporando os sinalizadores de mudança de direção.

As rodas são em liga leve, aro 17" onde são instalados pneus "super verdes", assim chamados pelo marca, de medida 215/60 e de uso misto, bem adaptados a proposta.

Não queríamos deixar de chamar a atenção para os faróis e lanternas traseiras, com todo o conjunto em LED, especialmente as luzes de condução diurna circular que assinalam de forma atraente a essência Jeep do Renegade, tornando-se, em nossa opinião, uma das mais bonitas e elegantes assinaturas diurnas da atualidade.


Já olhando para o interior da versão Trailhawk, as peças em vermelho acompanham os pormenores do exterior e dão a necessária distinção a uma versão marcada pela singularidade.

No interior destaque para o aproveitamento do espaço, especialmente nos lugares da frente, já atrás as habituais limitações para a posição central. Mas o grande destaque do Renegade é a ótima qualidade dos materiais utilizados no painel, emborrachado, reduzindo ruídos e deixando o ambiente no habitáculo bem confortável. Outro destaque é para o sistema de áudio com tela 8.4'' touch, com Apple Carplay e Android Auto, distribuindo o som pelo interior através de 6 alto falantes, com USB e Bluetooth e câmera de ré.

Na área central do painel, botões de fácil acesso e bem distribuídos, onde se destacam os comandos do ar-condicionado dual zone, a já comentada tela da central multimídia de fácil leitura, intuitiva e rápida, e mais abaixo o seletor para 5 tipos de terreno, entregando um console central limpo, muito por conta do freio de mão eletrônico que libera espaço entre os bancos, região onde se destaca ainda o apoia-braço com porta objetos.

Os bancos são revestidos parcialmente em couro com costura na cor vermelho rubi, para harmonizar com as já comentadas peças (painel e portas) em cor idêntica. O couro é ainda utilizado no acabamento do volante e na alavanca do câmbio. Com encosto de cabeça para as cinco posições, cintos e segurança de três pontos para todos os lugares com ajuste em altura e sistema ISOFIX para fixação da cadeirinha infantil, o Renegade não deixa de fora itens de segurança fundamentais para o segmento.


Destacamos ainda os sensores crepuscular e de chuva, vidros elétricos nas 4 portas com one touch, o ajuste do volante em altura e profundidade que ajuda a proporcionar uma confortável posição de condução, alertas de limite de velocidade e manutenção programada, painel de instrumentos de 7" colorido e configurável, de fácil leitura e manuseio no volante, o piloto automático e limitador de velocidade. Como observação final um olhar pelo necessário espaço do porta-malas, que no no Renegade entrega 260 litros de volume, com destaque para o fato do estepe, debaixo do assoalho, ser com roda (e pneu) igual às utilizadas pelo veículo.

É chegado o momento de conhecermos o comportamento dinâmico do Jeep Renegade Trailhawk, nos três cenários previsíveis, a cidade, a estrada e o off-road.

Nosso modelo é o praticamente o único do segmento a oferecer dois importantes itens mecânicos. A motorização diesel, sendo este uma exclusividade do modelo da Jeep, e a tração 4x4, esta também disponível no Ford Ecosport e Mitsubishi ASX, naqueles que são, sem dúvida, importantes diferenciais em relação à concorrência no grupo dos SUVs compactos e Crossovers.

Em razão da motorização diesel, a Jeep e o grupo de engenheiros da FCA aprimorou o Renegade com alguns reforços e itens para que o modelo entregue mais segurança e capacidade na hora de utiliza-lo em situações de off-road mais exigente.

Além de um reforço adicional no monobloco, especialmente na região frontal, tudo para suportar não só o peso adicional do motor como a capacidade necessária para suportar as forças adicionais de guincho e ganchos de ajuda, elementos que quando necessários ajudam a sair de situações mais complicadas. O Renegade trás ainda uma lista bem expressiva de atributos técnicos, alguns deles exclusividades da versão. Controle eletrônico de saída em rampa e de velocidade em descida e os importantes protetores de tanque de combustível, assoalho, carter e transmissão.

Hora então de dar partida ao motor 2.0 Turbo diesel que trabalha em conjunto com o cambio automático de nove marchas. Especificamente, o propulsor é dianteiro, transversal, 1.956 cm³, turbo, com quatro cilindros em linha e quatro válvulas por cilindro. Injeção direta de combustível e acelerador eletrônico o que já no papel antecipa as qualidades que interpretamos no contato diário com a versão.


O Renegade oferece naturalmente todas as qualidades de uma boa motorização diesel, entre as quais se destacam naturalmente a elasticidade, além do consumo e força que disponibiliza. Por falar em força, este motor entrega 170 cv a 5750 rpm e um torque máximo de 35,7 kgf.m nas iniciais 1750 rpm. Com estas características o Renegade Trailhawk entrega o mais completo cardápio de utilizações. No circuito urbano sempre se mostrou suave na evolução, com um câmbio que trabalha a favor, inteligente e de configuração bem correta. Além disso, entrega agilidade, permitindo reações rápidas em diversos níveis de rotação.

A transmissão é automática de nove velocidades de utilização 4X2 no dia a dia urbano ou em estrada, e opção 4X4 com reduzida e bloqueio do diferencial. Como já referido ele oferece a possibilidade de opção por cinco níveis de ajuste em relação ao tipo de tração pretendido, de acordo naturalmente com o tipo de terreno enfrentado pelo condutor.

Suas dimensões são de 4 232 mm de comprimento, 1 798 mm de largura e 1 714 mm de altura, com entre-eixos de 2 570 mm, o que permite não só agilidade no trânsito urbano, como um comportamento bem equilibrado em estrada, sempre muito estável e sem perder o necessário conforto. Já no offroad esta versão do Renegade é a que verdadeiramente permite passeios mais animados e por lugares de exclusiva beleza. Elogiável o trabalho da engenharia da FCA quanto ao equilíbrio na configuração da suspensão, que mesmo com especificações próprias para esta versão, inclusivamente na altura, maior, consegue entregar mais capacidade no fora de estrada sem comprometer o conforto e eficiência em estrada. A opção por uma solução independente do tipo McPherson tanto na frente como atrás já antecipa a preocupação da engenharia em conseguir uma versatilidade para o veiculo, que consegue, sem dúvida, manter as características urbanas e em estrada de seus irmãos de motor Flex, mas adiciona uma capacidade extra para as aventuras offroad nos fim de semana.

Com controle de tração e estabilidade, incluindo para trailler (quando com engate Mopar, marca do grupo) e ainda controle eletrônico anti capotamento, o Renegade deixa bem confiante o condutor que utiliza a versão nos diversos cenários que sua versatilidade permite. Outro item positivo são os freios a disco nas 4 rodas (ventilados na frente), com ABS, e que sempre se mostraram eficazes para frear ou imobilizar os 1.674 kg da versão diesel do Renegade.

Com volante de ótimas proporções, e direção elétrica com prefeita integração com a dinâmica do modelo, fica fácil, e prazeroso, dirigir o Renegade em qualquer circunstância, deixando uma clara sensação de bem estar nesta que é a proposta mais radical do modelo.

Resta ainda uma observação em relação ao consumo. Seu tanque de 60 litros permite uma autonomia bem interessante, com média de 9,9 km/l em nosso circuito que desta vez percorreu 40% do nosso teste em condução urbana, 40% em estrada, e deixando os restantes 20% para os momentos de terra e offroad, simulando assim uma utilização padrão para quem adquire esta versão do modelo.

Conclusão do editor: O Renegade Trailhawk é sem dúvida a mais interessante versão do modelo. Aquela que deixa o comprador mais próximo da essência da Jeep, adicionando a inevitável tecnologia, espaço interior divertido e elegante, e que consegue agradar tanto os mais aventureiros quanto os que não abdicam do requinte de um veículo bem construído onde a solidez do habitáculo contrasta completamente com a ideia de fragilidade das versões iniciais anos atrás. Com isolamento acústico muito bom, espaço generoso, ótima dirigibilidade e versatilidade, sem esquecer a economia na hora de “alimentar” o motor diesel, esta versão Trailhawk é uma exclusividade no segmento, por isso mesmo uma ótima referência de como verdadeiramente deve ser o utilitário esportivo, mesmo que compacto, muito mais SUV e menos Crossover.

Imagens: Revista Publiracing e FCA

Jeep Renegade Trailhawk

Design 8

Espaço e Conforto 8 Tecnologia 8

Acabamento 8

Motor / Consumo 8

Transmissão 9

Suspensão 8

Direção 8

Freios 8

Segurança e Auxílios 8

Total 81

#TESTEAVALIAÇÃO #JEEPRENEGADE #JEEP #OPINIÃO

Laja Revista Publiracing
Planos.jpg
Reserve seu espaço