top of page

Via Itália traz para o Brasil o conversível Ferrari SF90 Spider


Via Itália traz para o Brasil o conversível Ferrari SF90 Spider

A Via Itália, importadora oficial da icônica marca italiana Ferrari, traz para o Brasil pela primeira vez a SF90 Spider, modelo que será apresentado hoje, em evento exclusivo para clientes, em Florianópolis (SC). A SF90 Spider não é apenas a primeira versão spider híbrida plug-in de produção da marca, mas também é um veículo que estabelece novos padrões de desempenho, inovação e emoção ao dirigir.


O novo conversível traz as mesmas credenciais do superesportivo a que se derivou, adicionando mais emoção e versatilidade à gama, graças à arquitetura de teto rígido retrátil da Ferrari, que fez sua estreia uma berlinetta de motor central em 2011.


A Ferrari SF90 Spider é a representação fundamental do conceito de superesportivo que a torna o veículo ideal para proprietários que exigem o auge da tecnologia Ferrari, mas ainda querem ter a experiência e o prazer de dirigir ao ar livre.


O motor - O sistema híbrido plug-in da SF90 Spider garante níveis de desempenho incomparáveis a qualquer outro modelo spider de produção: ao V8 turbo de 780 cv foram adicionados mais três motores elétricos acoplados um no eixo traseiro e dois no eixo dianteiro, elevando sua potência máxima para impressionantes 1.000 cv, colocando a SF90 Spider no topo do ranking em termos de potência, não só da Ferrari, mas em sua categoria. Completa o conjunto a caixa de câmbio de dupla embreagem de 8 velocidades, que já equipa a SF90 Stradale.

Via Itália traz para o Brasil o conversível Ferrari SF90 Spider

Com seus 780 cv, esse V8 libera 60 cv a mais do que qualquer outro V8 turbo já construído pela Ferrari. Para entregar este resultado extraordinário, os engenheiros da Ferrari redesenharam completamente os sistemas de admissão e escape. Para melhorar a dinâmica interna dos fluidos, os dutos agora estão todos alinhados horizontalmente na altura da cabeça do motor, o conjunto do turbocompressor foi abaixado e a linha de escape é mais alta. Essa racionalização também produziu um centro de gravidade mais baixo e uma redução no peso total graças ao uso de Inconel, uma liga de níquel contendo cromo e ferro, resistente à corrosão em altas temperaturas, em vez de aço para o coletor de escape.


Foi dada atenção à qualidade do som, ao redesenhar o sistema de escape, pois o som do motor é um dos fatores centrais no prazer de dirigir uma Ferrari. A introdução de um "sistema de tubo quente", que transfere o som mais diretamente para o cockpit, produziu harmônicos mais completos e ricos em toda a faixa de frequência, melhorando a qualidade e a intensidade do som no carro à medida que as rotações aumentam em comparação com os Ferrari V8 anteriores.


Em condições normais de frenagem, a recuperação de energia usando os motores elétricos é a prioridade: o sistema de frenagem hidráulico intervém para apoiar os propulsores elétricos em todas as condições de desaceleração acentuada. Em altas velocidades e em altas rotações, a contribuição combinada dos motores elétricos em condições de alta aderência ajuda a diminuir os tempos de resposta do motor a combustão, melhorando significativamente a aceleração longitudinal e, portanto, o desempenho.

Via Itália traz para o Brasil o conversível Ferrari SF90 Spider


Este sistema de última geração não complica a experiência de condução de forma alguma, pois uma lógica de controle sofisticada monitora e ajusta de forma autônoma os fluxos de energia para se adequar às condições de uso. Tudo o que o motorista precisa fazer é selecionar um dos modos de condução (eDrive, Hybrid, Performance e Qualify) no novíssimo eManettino para uma experiência emocionante ao volante. Tal como a SF90 Stradale, a SF90 Spider também tem tração integral (AWD), fazendo com que as partidas do modelo a partir da inércia alcancem velocidades inigualáveis: 0 a 100 km/h em 2,5s e 0 a 200 km/h em 7,0s.


Sobre os modos de condução:

• eDrive: o motor de combustão interna permanece desligado e a tração é confiada inteiramente ao propulsor elétrico do eixo dianteiro. A partir de uma bateria totalmente carregada (com capacidade de 7,9 kWh), o carro pode percorrer até 25 km neste modo, ideal para dirigir no centro da cidade ou qualquer outra situação em que o motorista deseje eliminar o som da Ferrari V8. O limite de velocidade de 135 km/h, o que significa que o modelo também pode ser usado em estradas fora da cidade;

• Hybrid: esta configuração otimiza a eficiência geral do sistema. A lógica de controle decide de forma autônoma se deve manter o motor de combustão interna funcionando ou desligá-lo. O fluxo de energia dos motores elétricos é limitado para conservar a energia da bateria;

• Performance: este modo mantém o motor de combustão interna funcionando porque a prioridade é mais o carregamento da bateria do que a eficiência. Isso garante que a energia esteja instantânea e totalmente disponível quando necessário. Este modo é mais adequado para situações em que o prazer de dirigir e a diversão ao volante são o foco principal;

• Qualify: este modo permite que o sistema alcance a potência máxima, deixando os motores elétricos trabalharem em seu potencial máximo (162 kW). A lógica de controle prioriza o desempenho total sobre o carregamento da bateria.

Via Itália traz para o Brasil o conversível Ferrari SF90 Spider

A dinâmica do veículo - Os engenheiros de Maranello ainda aprimoraram o sistema de controle dinâmico do carro. Conhecido como eSSC (electronic Side Slip Control), seus principais novos recursos são três estratégias inovadoras de regulação dinâmica e distribuição de torque do motor para as quatro rodas:

- Controle Eletrônico de Tração (eTC): gerencia de forma otimizada a disponibilidade do torque - tanto do motor a combustão, quando do sistema elétrico - distribuindo-o para as rodas individuais de acordo com as condições de direção e os requisitos de aderência;

- Vetorização de torque: disponível no eixo dianteiro para gerenciar a tração elétrica nas partes internas e externas das rodas nas curvas para maximizar a tração na saída da curva e ajudar a garantir uma condução fácil, confiável e de alto desempenho;

- Controle de freio por fio com ABS/EBD: divide o torque de frenagem entre o sistema hidráulico e os motores elétricos (mistura de torque de frenagem), permitindo a recuperação regenerativa na frenagem, o que aumenta o desempenho e a sensação de frenagem.


O chassi foi completamente redesenhado para lidar com as tensões extras associadas à nova unidade de potência e à introdução do AWD. Uma série de tecnologias e inovações de ponta foram introduzidas, inclusive uma antepara toda em fibra de carbono entre a cabine e o motor. O chassi da SF90 Spider também possui rigidez torcional 30% maior do que as plataformas anteriores sem qualquer aumento de peso, fato que influencia significativamente a proeza dinâmica do carro.



Aerodinâmica - Assim como a SF90 Stradale redefiniu os níveis de desempenho aerodinâmicos da gama Ferrari, a SF90 Spider está indo além no que se refere aos resultados alcançados. As metas pensadas durante o desenvolvimento aerodinâmico do carro desde as primeiras etapas do desenho da plataforma foram três: manter os níveis de performance da SF90 Stradale com o RHT (Retractable Hard Top) ou teto rígido retrátil implantado, minimizar a turbulência aerodinâmica e o barulho com o RHT recolhido e otimizar os fluxos no compartimento do motor.


A relação sinérgica entre o departamento de aerodinâmica e o Ferrari Design produziu números de downforce e eficiência inigualáveis para qualquer outro carro da categoria. Mais uma vez, eles foram alcançados no estilo típico da Ferrari: esculpindo a forma do carro em uma personificação da esportividade. As principais características do design aerodinâmico da SF90 Spider incluem o Shut-off Gurney na traseira, um sistema de controle ativo que varia a força descendente sobre o eixo traseiro, a parte inferior dianteira com strakes geradores de vórtice e rodas forjadas com perfis de asa (conhecida como “geometria soprada”). Os resultados em termos de desempenho são realmente impressionantes: 390 kg de downforce gerados nas curvas a 250 km/h com o pacote aerodinâmico Assetto Fiorano.


O compartimento do motor abriga o propulsor de combustão interna, que gera temperaturas de quase 900o C, e componentes eletrônicos altamente sensíveis à temperatura. O compartimento RHT altera radicalmente a gestão dos fluxos de calor no compartimento do motor: é essencial, portanto, que o ar quente canalizado para cima seja evacuado corretamente e que o percurso que ele percorre não interfira nos componentes eletrônicos sensíveis à temperatura.

Via Itália traz para o Brasil o conversível Ferrari SF90 Spider

Dado que o compartimento RHT teria impedido o funcionamento das aberturas localizadas imediatamente atrás do teto na SF90 Stradale, lamelas transversais foram inseridas na tela traseira da SF90 Spider. Estes foram dimensionados com precisão para atuar como uma "chaminé" eficiente, sem interferir na aerodinâmica do carro quando em alta velocidade.

O motor de combustão interna e a caixa de câmbio são resfriados por dois radiadores localizados à frente das rodas dianteiras. O fluxo de ar quente que sai desses radiadores é canalizado para as áreas laterais da parte inferior da carroceria, e não para os flancos do carro. Isso significa que o fluxo de ar ao longo dos flancos é mais frio quando entra nas entradas de ar à frente das rodas traseiras, aumentando assim a eficiência do radiador do intercooler. Os motores elétricos e os inversores são resfriados por um circuito separado com seu próprio radiador na frente do carro com uma entrada central no para-choque dianteiro.


O downforce gerado pela SF90 Spider é em grande parte determinado pelo dispositivo aerodinâmico patenteado na cauda do carro: o shut-off Gurney. Para garantir o mesmo desempenho do coupé, a equipe Ferrari teve que trabalhar nos volumes e superfícies do teto para gerenciar a direção do fluxo aerodinâmico em direção à traseira do carro. O shut-off Gurney é um elemento suspenso composto por duas seções, uma fixa e outra móvel com área frontal em forma de cunha. O sistema é controlado por uma lógica sofisticada que controla parâmetros como velocidade, aceleração, ângulo do volante e pressão no pedal do freio, centenas de vezes por segundo, a fim de identificar condições dinâmicas que exigem mais downforce e acionar prontamente o sistema, que pode adotar uma das duas configurações:



• Baixo Arrasto: as duas seções são alinhadas e suspensas acima da tampa do motor, com a cunha móvel atuando como uma eficiente carenagem para o elemento fixo, permitindo que o ar flua tanto por cima quanto por baixo do shut-of Gurney, o que quase não tem efeito sobre a fluxo;

• Alto Downforce: o elemento móvel abaixa e fecha a área inferior, que em condições de baixo arrasto permitiu a passagem do ar. Os elementos móveis e fixos agora criam um perfil aerodinâmico capaz de desviar os fluxos que o atingem e gerar uma quantidade significativa de força descendente extra.


Específicos para a SF90 Spider são dois elementos aerodinâmicos no cockpit para garantir um excelente nível de proteção contra fluxos de ar com o teto abaixado. Há uma seção central de acabamento entre os bancos do motorista e do passageiro que canaliza o fluxo de ar para longe da cabeça e dos ombros e em uma camada dupla de acabamento na parte superior do túnel. Ambas as soluções são essencialmente neutras em arrasto e garantem o mesmo nível de conforto que outros modelos spider com motor central traseiro da Ferrari.

Via Itália traz para o Brasil o conversível Ferrari SF90 Spider

Design exterior - O ponto de partida para o design da SF90 Spider foi garantir que permanecesse o mais fiel possível ao estilo da SF90 Stradale. O trabalho meticuloso do Ferrari Styling Centre na área logo atrás dos bancos (chamada de tonneau) integrou-a perfeitamente com o resto do carro, uma conquista ainda mais surpreendente porque o V8 continua claramente visível através da tampa do compartimento do motor, mesmo com o teto rígido retrátil aberto ou fechado.


Além de ter a mesma silhueta da SF90 Stradale, a SF90 Spider tem um fascínio dinâmico único quando está na configuração conversível: a ausência do teto parece rebaixar visualmente o centro de gravidade do carro.


A frente do carro é dominada por um perfil muito pronunciado que ressalta seu caráter extremamente agressivo. As três entradas de ar nesta área resfriam os motores elétricos (na frente) e o motor de combustão interna (nas laterais). A SF90 Spider também utiliza a tecnologia Matrix LED Highlight para melhorar a visibilidade em todas as condições de condução graças ao controle ativo do feixe.


A traseira é dominada por tubos de escape altos, que são o resultado da otimização do layout da linha de escape. Sua aura de carro de competição foi habilmente explorada para destacar a personalidade inspirada nas pistas do SF90 Spider. Este efeito é reforçado pela área da traseora baixa. Anéis luminosos mais alongados criam uma percepção mais horizontal das lanternas traseiras, que são uma ruptura radical com a icônica forma redonda normalmente usada nas berlinettas com motor central traseiro típicas da Ferrari.


Como todos os spiders da Ferrari, a SF90 Spider ostenta uma capota rígida retrátil, que garante um isolamento acústico e proteção contra elementos externos quando acionada, não se deforma em altas velocidades e oferece espaço e conforto excepcionais aos ocupantes. O teto rígido retrátil é tão compacto, simples e leve que sua operação de abertura ou fechamento leva apenas 14s e pode ser acionado quando o carro está em movimento. A chave para o sucesso do Ferrari RHT é que ele ocupa apenas 100 l de espaço em vez dos 150-200 l exigidos por um sistema tradicional. O uso de alumínio em sua construção também significa que ele é cerca de 40 kg mais leve que uma capota rígida retrátil convencional. Um vidro traseiro elétrico ajustável garante excelente conforto dos ocupantes mesmo em altas velocidades quando o RHT é abaixado.

Via Itália traz para o Brasil o conversível Ferrari SF90 Spider

Design interior - A filosofia “olhos na estrada, mãos no volante” derivada das pistas, que impulsionou a ergonomia e o estilo do interior, produziu um inédito e inovador conceito de interface homem-máquina (HMI), que inclui um novo volante com touchpad que permite ao motorista controlar virtualmente todos os aspectos do carro sem mover as mãos, além de um head-up display com as principais informações sendo projetadas no vidro, em frente ao motorista.


O painel de instrumentos central agora é totalmente digital com uma tela curva HD de 16”, que pode ser configurada e acessada usando os botões no volante. No túnel central, os controles da caixa de câmbio automática agora são acionados por um recurso de estilo de grade que faz referência ao glorioso e icônico câmbio manual da Ferrari.


Assim como na SF90 Stradale, a SF90 Spider também está disponível com uma especificação dedicada para aqueles que desejam levar ao extremo sua vocação de carro de pista. O pacote Assetto Fiorano inclui uma lista de atualizações exclusivas que o diferenciam da versão padrão, incluindo amortecedores Multimatic derivados da experiência de corrida GT da Ferrari e otimizados para uso em pista. Outros incluem a adoção de materiais de alto desempenho (como fibra de carbono e titânio) que reduzem em 21 kg o peso do carro, um spoiler traseiro de fibra de carbono e pneus Michelin Pilot Sport Cup 2 homologados para pista e projetados para melhorar o desempenho do esportivo em pista seca, graças a um composto mais macio e menos ranhuras. Por fim, o Assetto Fiorano oferece uma pintura opcional em dois tons que ressalta ainda mais a vocação de carro de corrida.


Garantia de sete anos - Os padrões de qualidade incomparáveis da Ferrari e o foco crescente no atendimento ao cliente sustentam o programa de manutenção estendido de sete anos oferecido com a SF90 Spider. Disponível em toda a gama, o programa abrange todas as manutenções regulares durante os primeiros sete anos de vida do veículo.


Este programa de manutenção programada para Ferraris é um serviço exclusivo que permite ao cliente a certeza de que seu carro está sendo mantido com o máximo qualidade e segurança ao longo dos anos. Este serviço muito especial também está disponível para proprietários de Ferraris usados.


A manutenção regular (com intervalos de 20.000 km ou uma vez por ano sem restrições de quilometragem), peças de reposição originais e verificações meticulosas por pessoal treinado diretamente no Centro de Treinamento Ferrari em Maranello usando as mais modernas ferramentas de diagnóstico são apenas algumas das vantagens do Programa de Manutenção Genuíno. O serviço está disponível em todos os mercados mundiais e em toda a Rede Oficial de Concessionários.


O Programa de Manutenção Genuína amplia ainda mais a gama de serviços pós-venda oferecidos pela Ferrari para atender às necessidades dos clientes que desejam preservar o desempenho e a excelência que são as assinaturas de todos os carros construídos em Maranello.

 

Visite nossa Plataforma de Compra e Venda de Veículos e tenha atendimento com especialistas que vão ajudar você a realizar o melhor negócio



 

Gostou da matéria? – Saiba que a sua contribuição é muito importante para a realização do nosso trabalho de jornalismo independente. Utilize a chave PIX - comercial@revistapubliracing.com.br e seja nosso parceiro - O valor, você escolhe!

Conta Jurídica: (ARTUR JORGE SEMEDO, EDIÇÃO DE JORNAIS E REVISTAS).

Se preferir outra forma de contribuição (cartões), acesse aqui


Para publicidade, apoio ou parcerias na seção Automóveis entre em contato através do e-mail: publicidade@revistapubliracing.com.br

Comments


350x250.gif
300.250.png
bottom of page