• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Revista Publiracing

Avaliação: Citroën C4 Cactus Shine 1.6 Turbo, ele é o mais irreverente e ágil SUV compacto do Brasil


A Revista Publiracing recebeu para alguns dias de teste o mais novo representante do competitivo segmento dos SUVs compactos no Brasil.

Ele chegou ao Brasil no segundo semestre de 2018 trazendo muitas das imprescindíveis receitas do segmento, mas adicionando algumas características muito particulares como um design jovem, moderno e muito atraente. Disponibilizado em duas motorizações 1.6, uma delas aspirada e outra mais capacitada, turbo, e dois tipos de transmissão, manual ou automática, o Crossover chegou para brigar no segmento mais competitivo da atualidade, com a Citroën decidindo adicionar um diferencial bastante forte como opção na hora da escolha da versão, tornando assim o modelo único, por enquanto – seu motor 1.6 Turbo THP Flex de 173 cv.

Alguns de vocês devem estar questionando neste momento esta informação, afinal o Chevrolet Tracker já é disponibilizado com motor 1.4, também ele turbo. Claro que sim, mas as diferenças em termos de performance e agilidade são evidentes, por isso considerarmos que esta versão do Cactus, e que nossa equipe teve oportunidade de testar, a Shine 1.6 THP Pack de câmbio automático, a mais irreverente e ágil opção de toda a vasta lista de SUVs compactos disponibilizada atualmente para o mercado brasileiro.

É então com muito prazer que descrevemos para nossos leitores a experiência de alguns dias ao volante do novo SUV da Citroën.

Indiscutivelmente os olhares se prendem nele, inicialmente pela conjugação das cores escolhidas para nossa unidade, o azul esmeralda da carroceria e o branco de algumas peças e principalmente do teto. Segundo a casa francesa, todo o projeto do veículo, incluindo o design, foi desenvolvido pela engenharia da marca na América do Sul, com a participação muito especifica da área de desenvolvimento da marca no Brasil, e o resultado final foi muito bom. Tão bom que a marca acabou “exportando” o modelo para o mercado global, e apenas com algumas adequações de acordo com as exigências e padrões de mercados específicos.

O design incorpora os três níveis de iluminação no grupo ótico frontal, com a assinatura de iluminação diurna em LED na posição mais elevada, os faróis principais no meio e os de neblina naturalmente em nível inferior. Este posicionamento é a cara da Citroën na atualidade, proporcionando veículos de aparência moderna e despojada, mas sem perder a elegância característica dos veículos da marca. E já que falamos de grupo ótico referência para as lanternas traseiras que são também em LED e efeito em 3D o que junto com o aerofólio integrado entrega uma traseira futurista e esteticamente muito agradável.

De capô alto, e 22,5 cm de altura em relação ao solo, o Cactus apresenta uma postura até arrojada para este perfil de veículo mais urbano, permitindo, como iremos ver em nosso teste, encarar alguns tipos de piso no offroad, pouco exigente, claro, mas ainda assim de horizontes mais amplos que muitos dos seus concorrentes.

São 14 conjugações de cores disponíveis no Cactus o que lhe confere um alto índice de personalização, algo que é cada vez mais comum e desejado. No caso da unidade disponibilizada para teste, e como comentado anteriormente, temos o azul esmeralda como base e o branco como segunda cor, visível no teto, espelhos retrovisores e molduras dos faróis de neblina, estas duas peças com pintura brilhante. Ainda de acordo com a segunda cor escolhida, um pequeno pormenor dos exclusivos Airbumbs, peças emborrachadas que protegem a lateral do Citroën de pequenos toques em manobras tão comuns em nosso dia a dia, muito especialmente nas apertadas ruas e avenidas das cidades cada vez mais congestionadas, ou ainda nas vagas de condomínios e shoppings.

São destaques também as barras de teto longitudinais e funcionais de design bem exclusivo e na cor preta, que harmonizam com as peças plásticas na cor preta que contornam toda a parte inferior do veículo, incluindo caixa de rodas, além das molduras dos vidros e terceira coluna, tudo na medida certa e sem exageros. Esta perfeita harmonia entre as duas cores e o preto do acabamento entrega um veículo de aspecto moderno, atraente e que não esconde sua origem.

Aproveitando que falamos do design do Citroën C4 Cactus, é chegado o momento de deixarmos suas principais dimensões – São 4.170 mm de comprimento, 1.714 mm de largura, 1.563 mm de altura e 2.600 mm de entre-eixos, apresentando no papel um veiculo algo menor em comprimento em relação aos seus principais concorrentes, mas com o entre-eixos muito na linha do restante das opções.

Para finalizar nossa observação externa, resta falar das bonitas rodas de liga Leve 17" diamantadas, onde são instalados pneus de medida 205/55 R17 finalizando assim um pacote estético muito interessante, que chama o olhar por onde passa, e sem dúvida mais um excelente trabalho da equipe de design da PSA (Citroën/Peugeot), que insistem em fazer bater mais fundo o coração dos apaixonados pelas marcas do grupo, tudo isso sem perder a identidade de cada uma das marcas, e sempre antecipando o futuro com projetos arrojados e muito interessantes.

Ao entrar no C4 Cactus fica claro que a intenção não é brigar com a elegância de concorrentes como o Jeep Renegade, Honda HR-V, Hyundai Creta ou Nissan Kicks, que apelam em suas versões mais sofisticadas a elementos mais sóbrios para entregar sofisticação aos seus modelos. No carro francês tudo é bastante prático, limpo e sem grandes luxos. Apesar disso o pacote tecnológico e de conforto é muito interessante. Fazem parte desta versão mais completa do Cactus elementos como, abertura e travamento das portas sem chave, acendimento automático dos faróis, partida através de botão start/stop, ar condicionado digital dual zone, câmera de ré, regulador e limitador de velocidade, limpador do para-brisa automático com detector de chuva e todos os vidros elétricos e com função OneTouch.

A central multimídia está bem localizada, é de fácil leitura e intuitiva, seguindo a linha estética do que é visto nos modelos mais recentes do grupo PSA. Ela é touchscreen de 7", com conexão Android Auto e Appe Car Play e os principais comandos disponibilizados no volante. Já o som de boa qualidade, é distribuído através de 4 alto falantes e 2 tweeters.

Ainda olhando para o conforto dos passageiros e numa exclusividade para as versões de motor THP, os bancos são revestidos em couro, de boa ergonomia e proporcionando bem estar no interior do Crossover francês. O espaço disponibilizado é generoso permitindo o transporte de cinco adultos de forma confortável, com as naturais ressalvas para a posição central do banco traseiro. Não foram esquecidos os encostos de cabeça e cintos de três pontos para as cinco posições bem como o sistema de segurança para cadeira infantil ISOFIX. No porta-malas são disponibilizados 320 litros de volume em espaço.

Os materiais utilizados nas portas e painel são uma mistura de plástico duro com peças de acabamento um pouco mais cuidado, mas sempre com uma textura bem agradável e com peças bem acabadas e integradas, entregando um interior sólido e de poucos ruídos incômodos. Breve parêntesis para antecipar algo que sentimos nos quilômetros percorridos com o C4 Catus, o fato do isolamento acústico do modelo também ser muito bom, não permitindo a entrada de muitos sons externos para o seu interior, e só em rotações bem altas do motor algum desse som consegue invadir a cabine.

Já o painel de instrumentos é digital com indicação de velocidade numérica, de grafismo simples e de fácil leitura, sem grandes sofisticações e que nos remete ao C4 Lounge.

E se o nosso francês entrega um pacote de conforto, apenas equilibrado, já o de segurança supera muitos de seus concorrentes sendo mais um dos pontos fortes do Cactus. Podemos listar os seis airbags: frontais, laterais e de cortina, acionamento das luzes de emergência em caso de frenagem brusca, ESP (controle dinâmico de estabilidade) com ASR (antipatinagem), Hill Assist - assistente de partida em rampa, e ainda, fazendo parte do Pack especial de nossa versão, alerta sonoro de saída de faixa, alerta de atenção e cansaço do condutor e ainda o sistema de frenagem automática e alerta de colisão que alerta o motorista caso haja risco de colisão e freia automaticamente se não detectada reação do condutor.

Utilizando os ajustes de banco e de volante (altura e profundidade), facilmente conseguimos uma posição ideal para dar partida ao motor e iniciar nosso teste dinâmico.

Sem dúvida que além da estética, irretocável, o que pode levar o cliente mais exigente a optar pelo modelo francês é seu fantástico conjunto mecânico. O motor é o conhecido 1.6 Turbo THP (Turbo High Pressure) de 173 cv com etanol. Propulsor flex 4 cilindros de 16 válvulas e Injeção eletrônica multiponto com turbo de alta pressão e intercooler. De resposta ágil e pronta, ele permite muita diversão e ótimas retomadas. São 24,5 kgf.m de torque, com uma grande parte da potência disponível logo nas iniciais 1.400 rpm, característica que trabalhando em conjunto com o ótimo câmbio automático sequencial de 6 marchas entrega em nossas mãos o mais ágil de todos os SUVs compactos da atualidade no Brasil.

A transmissão é muito inteligente e se utilizada no modo automático é interessante observar como ela interpreta a exata pressão exercida sobre o pedal do acelerador, seja no modo normal, bem como nos opcionais ECO ou SPORT. Como informação complementar referir que a Citroën disponibiliza uma versão de motor aspirada para trabalhar em conjunto com a transmissão manual de cinco marchas.

A suspensão dianteira é independente e do tipo Macpherson, já na traseira a opção foi pela travessa deformável, solução muito utilizada para este perfil de veículos, mas configurada para entregar um ótimo comportamento tanto no asfalto urbano, ótima estabilidade em estrada, e ainda capacidade para absorver irregularidades nos diversos tipos de terrenos offroad que podemos escolher para o nosso passeio de fim de semana ou no caminho para a fazenda. O sistema Grip Control, já conhecido do Peugeot 2008 THP, ajusta o mapeamento do motor, câmbio e controles de tração e estabilidade, para o uso na terra, areia ou lama, escolha realizada através do seletor rotativo de piso que fica no centro do painel.

A direção, de assistência variável elétrica, é mais um ponto elogiável do Crossover francês. De giro rápido, muito leve em movimentos urbanos, ela sempre se mostrou muito precisa, ficando gradativamente mais dura de acordo com o crescimento da velocidade, nunca perdendo a qualidade e a capacidade de passar muita confiança para o condutor. Igualmente interessante são os freios, de disco nas quatro rodas, sendo que os dianteiros são ventilados, eles incorporam o sistema ABS com REF (repartidor eletrônico de frenagem) e o já comentado AFU (auxílio à frenagem de urgência) sistema que sempre se mostrou muito eficaz para frear os 1.214 kg de peso de nossa unidade.

Permitindo 55L de combustível no tanque, o Cactus foi abastecido com etanol em nosso teste, e a média de nosso circuito misto foi de 8,1 km/l sendo que o INMETRO aponta para o mesmo combustível média urbana de 7,2 km/l ou 8,9 km/l para condução em estrada. Poderia ser melhor, sem dúvida, mas o entusiasmo toma conta, e fica difícil segurar o pé direito.

Para finalizar alguns números do modelo. Foram 3615 unidades saídas das concessionárias da marca nos primeiros três meses do ano, com 1461 em fevereiro e 1138 em março, mês que este ano ficou algo comprometido pelo carnaval e os dias de folia que deixaram os compradores longe das lojas. Na versão avaliada pela nossa equipe ele tem preço sugerido de R$ 103.225, o que deixa ele bem competitivo e opção bem interessante especialmente para quem pretende emoção e animação no dia a dia.

Resumo do Editor: O comportamento dinâmico do C4 Cactus nesta versão Shine THP é entusiasmante. Rápido e ágil na cidade ele é ao mesmo tempo estável e seguro em estrada, sem esquecer sua versatilidade através de aspectos como a altura em relação ao solo e configuração da suspensão que junto com ângulos de entrada e saída interessantes permitem alguns passeios mais ousados. Levantar cedo para encarar o transito de São Paulo foi sempre muito divertido com esta proposta da Citroën, que deixou de lado a sofisticação, mas entregou em doses muito importantes um design moderno e atraente, emoção, e tecnologias ao serviço da segurança. É através destes diferenciais que ele ganhará seu lugar ao sol, espaço que ele merece pela qualidade do produto.

Avaliação: Citroën C4 Cactus Shine Turbo THP

Design 8

Espaço e Conforto 7

Conectividade e Tecnologia 7

Acabamento 7

Motor / Consumo 8

Transmissão 8

Suspensão 8

Direção 8

Freios 8

Segurança e Auxílios 8

Total 77

#TESTEAVALIAÇÃO #CITROENCACTUS #CITROEN

Laja Revista Publiracing
Reserve seu espaço