top of page

Números e factos sobre a vitória da Audi no Dakar


Números e factos sobre a vitória da Audi no Dakar

A Audi conquistou em 2024 sua primeira vitória no Dakar. As análises da Team Audi Sport, juntamente com as histórias no bivouac, revelam muitas informações e curiosidades.


A Audi celebrou a sua primeira vitória no Rali Dakar a 19 de janeiro de 2024, e Carlos Sainz/Lucas Cruz a sua quarta com a quarta marca diferente. Com participação direta nas principais categorias do automobilismo mundial, desde 1980, a Audi alcançou sucessos com vitórias e títulos no Campeonato do Mundo de Ralis, em Pikes Peak, nas 24 Horas de Le Mans, na American Le Mans Series, na European Le Mans Series e no Campeonato do Mundo de Resistência da FIA WEC, em categorias de carros de turismo como o DTM, Trans-Am, na Fórmula E, bem como nas categorias de GT2, GT3, GT4 e TCR. Com o triunfo no deserto, a marca colocou o seu nome em um dos poucos pontos vazios no mapa de sucesso global do desporto motorizado.


O chassis do Audi RS Q e-tron vencedor ostentava o número 110, que a Audi Sport completou a 6 de julho de 2023. Este protótipo completou então os testes em Zaragoza, na Baja España Aragón, em Marrocos, no Rali de Marrocos e num teste em Château de Lastours. Até então, o carro já tinha percorrido 5.880 quilómetros. Depois, seguiu para o Rali Dakar de 2024, onde o carro percorreu mais 8.054 quilómetros. Significa que a unidade com o número 110 completou até à data 13.934 quilómetros.


Desde 2023 que o Dr. Leonardo Pascali é o responsável pelo desenvolvimento do projeto Dakar enquanto Diretor Técnico. Doutorado em engenharia, traz consigo uma vasta experiência da indústria automóvel e no desporto, quer na Fórmula 1, quer nos protótipos de Le Mans, mas nunca trabalhara em provas de todo-o-terreno. Nas suas próprias palavras, ter a oportunidade de trabalhar neste projeto e depois vencer o Rali Dakar é a "melhor experiência profissional da minha vida".


Dr. Leonardo Pascali e a equipa da Audi Sport
Dr. Leonardo Pascali e a equipa da Audi Sport

Por outro lado, o engenheiro Joan Navarro tem vindo a ganhar experiência em ralis no deserto desde 2013, quando se juntou à equipa de Sven Quandt. Como engenheiro de prova, ele conduziu Nani Roma à vitória no Rali Dakar em 2014, Carlos Sainz pela primeira vez em 2020 e Stéphane Peterhansel um ano depois. O orgulho na sua quarta vitória como engenheiro de Carlos Sainz é imenso: mesmo duas semanas após cruzar a linha da meta, Joan Navarro ainda não tirou a pulseira que serviu de autorização de acesso para todos os membros da equipa durante o rali.


O Audi RS Q e-tron foi sujeito a situações extremas durante uma edição particularmente exigente do Rali Dakar. A aterragem mais dura após um salto gerou uma aceleração máxima instantânea vertical de 16 g, na terceira etapa. Em comparação, um avião de passageiros é pilotado de modo a que os ocupantes sejam expostos a acelerações de não mais que 1.5 g. Os astronautas experienciam acelerações de 3 a 4 g durante a descolagem, e viagens em montanhas-russas podem gerar breves picos de 6 g.


Apesar das elevadas forças a que os veículos estão sujeitos, a Audi não alterou vários componentes-chave no carro vencedor durante toda a prova. As unidades de motor-gerador (MGU) dianteira e traseira e os inversores para a tração permaneceram intactos, assim como a bateria de alta voltagem e o depósito do combustível do conversor de energia. Até mesmo os elementos da suspensão, que estavam expostos a forças extremas no chassis, duraram todo o rali.

 

Na quarta etapa, a 9 de janeiro, a descrição oficial do percurso por parte do organizador continha a nota "pista muito rápida" entre os quilómetros 66 e 95 do percurso. À noite, quando os engenheiros da Audi analisaram os dados, estes mostraram que o vitorioso Audi RS Q e-tron atingiu a velocidade máxima permitida de 170 km/h durante 260 segundos consecutivos (ou seja, 4 minutos e 20 segundos). Um valor notável em pistas fora de estrada e impensável numa pista tradicional. Conduzir a esta velocidade exigiria uma reta de 12,28 quilómetros, sem incluir a aceleração até chegar a essa velocidade.


Números e factos sobre a vitória da Audi no Dakar

A sexta etapa no "Empty Quarter" foi totalmente o oposto. As dunas semelhantes a montanhas reduziram drasticamente a velocidade média. Nos cerca de 400 quilómetros encadeados sobre dunas, Carlos Sainz e Lucas Cruz alcançaram uma velocidade média entre 40 e 50 km/h. O que parece uma velocidade confortável para a cidade é, na verdade, uma tortura para este sistema de tração elétrica com duas caixas de velocidades, quatro eixos de transmissão e sistemas de refrigeração. O consumo de energia também disparou neste cenário.


A navegação de elevada qualidade de Lucas Cruz pode ser expressa não apenas em palavras de elogio, mas também em números. Até à penúltima etapa, Carlos Sainz e Lucas Cruz percorreram as distâncias mais curtas entre as três equipas de pilotos da Audi. A eficiência na escolha da rota mais eficaz e o minimizar de erros de navegação foi impressionante. A equipa, e em particular o seu engenheiro de corrida Joan Navarro, também observou uma mudança no estilo de condução do seu piloto: enquanto as gravações de Sainz costumavam mostrar principalmente uma sequência de cargas completas no acelerador ou no pedal do travão, desta vez o espanhol modulou mais a utilização dos pedais e conduziu de forma menos agressiva.


Um dos segredos do sucesso rumo à vitória foi a estratégia engenhosa da equipa e do piloto. O líder da Audi Motorsport, Rolf Michl, e Sven Quandt, Diretor da Equipa da QMS, realizavam reuniões noturnas regulares sobre estratégia de corrida após a análise detalhada das etapas, o que resultou em pleno. A decisão de perder voluntariamente cinco minutos na quinta etapa para evitar abrir a desafiadora sexta etapa foi ousada. No entanto, em comparação com todos os concorrentes, ficou claro em retrospetiva que a análise estava absolutamente correta. A Audi ocupou a primeira e a segunda posição após a sexta etapa e durante o dia de descanso, e Carlos Sainz/Lucas Cruz nunca mais perderam a liderança depois disso.


Carlos Sainz leu o terreno de forma tão inteligente que ainda deixou margem de segurança apesar de obter bons tempos. Entre a terceira e a sexta etapa, o espanhol adotou uma abordagem mais cautelosa, uma vez que resultados entre os cinco primeiros lugares eram suficientes. Quando Sébastien Loeb começou a exercer pressão na segunda metade do rali, Sainz reduziu a sua margem de segurança, mas apenas na medida em que não havia risco de acidente. Em contraste, os principais concorrentes terminaram o rali prematuramente após acidentes ou sofreram danos de difícil reparação. Sainz venceu o Rali Dakar sem uma vitória em etapa.


Números e factos sobre a vitória da Audi no Dakar

Após a vitória, Carlos Sainz Jr., que é um bem-sucedido piloto de Fórmula 1, revelou que tinha consultado de perto o seu pai sobre a estratégia para o Rali Dakar. O filho aconselhou o piloto de fábrica da Audi de 61 anos a não se esforçar ao máximo todos os dias devido à natureza de longa distância do evento. Sainz sénior, referenciado por muitos fãs como "El Matador" desde os seus primeiros dias no Campeonato do Mundo de Ralis, é famoso pela sua vontade e forma de atacar cada quilómetro.


A propulsão elétrica do Audi RS Q e-tron, com uma bateria de alta voltagem e um conversor de energia alimentado por reFuel, é extremamente eficiente. De forma inteligente, o vencedor recuperou uma proporção considerável da energia. Durante a travagem, as unidades de motor-gerador (MGU) converteram energia cinética em energia elétrica. Esta recuperação cobriu em média 14% do requisito diário de energia durante o rali. Um efeito colateral: em comparação com os carros de rali convencionais, o desgaste dos discos de travão foi reduzido e os mecânicos apenas mudaram o par da frente uma vez e o par traseiro duas vezes.


No percurso de quase 8.000 quilómetros do Rali Dakar de 2024, os vencedores da Audi utilizaram 54 pneus, além de um pneu adicional que os seus colegas de equipa Mattias Ekström/Emil Bergkvist lhes ofereceram na décima etapa. Ao todo, Carlos Sainz/Lucas Cruz registaram onze furos nos seus 55 pneus sobre as superfícies frequentemente cortantes, incluindo sete rebentamentos e quatro furos lentos. A equipa também substituiu duas jantes danificadas.


A famosa mesa de futebol da equipa Audi
A famosa mesa de futebol da equipa Audi

Carlos Sainz e Lucas Cruz tiveram de superar muitos obstáculos no caminho até à vitória. Estes incluíram, em primeiro lugar, o percurso desafiante, mas também os pequenos obstáculos da vida quotidiana no deserto. No primeiro dia do evento, o sistema de água quente da sua autocaravana não funcionou e os dois espanhóis tiveram que tomar banhos frios. Durante a etapa de 48 horas, todos os participantes foram obrigados a passar a noite no deserto sem as suas equipas e tendo de preparar a sua própria comida. Carlos Sainz beneficiou de um gesto generoso entre verdadeiros desportistas: o piloto da Toyota, Yazeed Al-Rajhi, deixou o espanhol usar a sua luxuosa autocaravana nas noites restantes. O piloto da Arábia Saudita tinha desistido na sexta etapa após um capotamento, permitindo a Sainz assumir a liderança.


Enquanto os dias normais de rali significavam muito trabalho para toda a equipa, também houve duas etapas- maratona com condições invulgares. Na primeira dessas duas etapas especiais, apenas um serviço muito limitado foi permitido, e na segunda, não foi permitida qualquer intervenção nos carros. Como esperado, os funcionários tiveram folga nesses dias. A equipa Audi Sport sabia como passar o tempo de forma animada: a equipa tinha trazido uma mesa de futebol da Alemanha, que foi muito popular.


A esposa Reyes, a filha Ana, Carlos Jr.e a companheira Rebecca Donaldson
A esposa Reyes, a filha Ana, Carlos Jr.e a companheira Rebecca Donaldson

Carlos Sainz sabia que a esposa Reyes e a filha Ana tinham anunciado a sua chegada à meta do Rali Dakar. No entanto, o que ele não esperava era que o seu filho Carlos Jr. tivesse decidido viajar de última hora para Yanbu com a sua parceira Rebecca Donaldson. A surpresa ao encontrá-los foi enorme e claramente visível no rosto do orgulhoso pai.


O Diretor Técnico Dr. Leonardo Pascali estava duplamente aliviado e igualmente orgulhoso a 19 de janeiro: durante o rali, o italiano não só se concentrou na equipa, mas também no progresso do seu ambicioso filho. No mesmo dia em que a Equipa Audi Sport venceu o Rali Dakar, Antonio Pascali venceu a categoria "Youth Men" para menores de 19 anos no Campeonato Mundial de Juventude e Homens da classe ILCA 6 de vela em Mar del Plata, Argentina.

Comments


350x250.gif
300.250.png
bottom of page