top of page

Implantação do Euro7 nos mercados Europeus gera preocupação por parte das marcas


Publicação das regras Euro7 nos mercados Europeus gera preocupação por parte das marcas

A Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (ACEA) tem sérias preocupações com a proposta da Comissão Europeia para os novos padrões de emissão de poluentes (Euro 7) para carros, vans, caminhões e ônibus, publicada hoje.


“A indústria automobilística leva muito a sério seu papel de reduzir as emissões de CO2 e poluentes. De fato, no ano passado fizemos uma proposta muito construtiva para um novo Euro 7 que traria uma grande redução nos critérios de poluentes, melhorando assim a qualidade do ar”, explicou Oliver Zipse, presidente da ACEA e CEO da BMW. “Infelizmente, o benefício ambiental da proposta da Comissão é muito limitado, enquanto aumenta fortemente o custo dos veículos. Ele se concentra em condições extremas de direção que quase não têm relevância na vida real.”

Ainda de acordo com o comunicado da ACEA, a proposta Euro VII é particularmente dura para caminhões. Ele negligencia completamente a mudança acelerada para veículos de emissão zero e também ignora o efeito de futuras metas de CO2 para veículos pesados.


“Para cumprir a Euro VII, os fabricantes de caminhões terão que transferir recursos financeiros e de engenharia substanciais de veículos elétricos de bateria e célula de combustível de volta para o motor de combustão interna. Isso afetará severamente nossa transição para veículos de emissão zero. Não é bom para o clima, não é bom para a saúde das pessoas e não é bom para a indústria”, afirmou Martin Lundstedt, CEO do Grupo Volvo e Presidente do Conselho de Veículos Comerciais da ACEA.

Publicação das regras Euro7 nos mercados Europeus gera preocupação por parte das marcas

“Os formuladores de políticas devem se concentrar em medidas que acelerem a renovação da frota, priorizando investimentos em veículos com emissão zero, que terão um impacto muito maior na qualidade do ar e na redução das emissões de CO2”, disse Lundstedt.


O pacote legislativo Euro 7/VII provavelmente não estará pronto antes de meados de 2024, especialmente considerando a longa lista de testes adicionais que abrange. As datas de implementação propostas – julho de 2025 para carros e vans e julho de 2027 para veículos pesados ​​– não são realistas, dado o grande número de modelos e variantes de veículos que precisam ser desenvolvidos, projetados, testados e aprovados antes disso. Portanto, o Euro 7/VII corre o risco de ser muito complexo e caro, adverte a ACEA.


O comunicado da ACEA termina referindo que a contribuição de partículas de fontes que não são de escapamento, como desgaste de freios e de pneus, ultrapassará as emissões de partículas de escapamento. Essas emissões (de todos os veículos, incluindo elétricos) devem ser o foco tanto do Euro 7/VII quanto do regulamento de homologação de pneus, até que testes de novos procedimentos estejam prontos.



Visite nossa Plataforma de Compra e Venda de Veículos e tenha atendimento com especialistas que vão ajudar você a realizar o melhor negócio



Gostou da matéria? – Saiba que a sua contribuição é muito importante para a realização do nosso trabalho de jornalismo independente e totalmente gratuito.


Utilize o QR Code


O valor, você escolhe!


Se preferir outra forma de contribuição (cartões), acesse aqui



Para publicidade, apoio ou parcerias na seção #Automóveis entre em contato através do e-mail: publicidade@revistapubliracing.com.br


Comments


350x250.gif
300.250.png
bottom of page