top of page

Emplacamento de veículos tem queda em outubro mas o acumulado ainda é positivo


Alarico Assumpção Júnior, Presidente da Fenabrave
Alarico Assumpção Júnior, Presidente da Fenabrave

Com um dia útil a menos em relação ao mês anterior, outubro registrou baixa de -1,78% nos emplacamentos de veículos, incluindo todos os segmentos automotivos (exceto tratores e máquinas agrícolas, que não são emplacados). Os dados são da Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, segundo a qual foram licenciadas 276.033 unidades no mês, contra 281.026 em setembro/2021. Na comparação com o mesmo mês de 2020, quando 332.852 veículos zero km foram comercializados, a queda de outubro/2021 chegou a -17,07%.


Já no acumulado, de janeiro a outubro de 2021, os emplacamentos seguem com resultados positivos, com alta de 16,15% sobre o mesmo período do ano passado, totalizando 2.863.349 unidades, contra 2.465.260 emplacadas em igual período de 2020.


O setor, em geral, continua sendo afetado pela crise global de abastecimento de componentes para a produção industrial. “Os emplacamentos de todos os segmentos automotivos vêm oscilando, de acordo com o fluxo de produção. A demanda se mantêm alta, por parte do consumidor, mas há segmentos em que a espera por um veículo pode levar meses, em função dos baixos estoques das Concessionárias, que não estão conseguindo ter todos os pedidos atendidos pelas fábricas, devido à falta de insumos e componentes. Esperamos pela normalização da produção, mas acreditamos que isso só ocorra em meados de 2022, na melhor das hipóteses”, esclarece Alarico Assumpção Júnior, Presidente da entidade.



Automóveis e Comerciais leves

Apesar da baixa nos emplacamentos de Comerciais Leves, a recuperação nos licenciamentos de Automóveis fez com que os segmentos, somados, registrassem crescimento em outubro sobre setembro/2021. Também o acumulado do ano, até o momento, vem se mantendo positivo, mas, além da produção, outros fatores começam a preocupar. De acordo com Assumpção Júnior, o cenário econômico pede atenção. “A recente alta nas taxas oficiais de juros e a possibilidade de novas elevações podem influenciar a decisão de compra por parte do consumidor e na oferta de crédito, que pode se tornar mais seletivo. É um cenário que estamos observando, com muita atenção”, diz.


Caminhões

A queda, em outubro, segundo o Presidente da Fenabrave, está mais relacionada ao menor número de dias úteis sobre setembro, e não por alterações na demanda. “O mercado de Caminhões se mantém positivo e os emplacamentos vão seguindo a capacidade de entrega das montadoras. Alguns modelos, como os extrapesados, já estão com previsão de entrega para o fim do 1º semestre de 2022”, afirma. “Na média, as entregas estão sendo agendadas para um prazo de 90 a 120 dias”, finaliza.


Ônibus

Apesar da alta em outubro/2021 sobre setembro/2021, os demais períodos comparativos foram críticos para o segmento de ônibus, que foi o que mais sofreu com a pandemia e o isolamento social.


Mas, de acordo, com Assumpção Júnior, as perspectivas para o segmento podem melhorar, em 2022. “A vacinação avançou bastante no Brasil, há perspectivas de retomada no turismo e alguns programas de transporte público podem ser retomados no ano que vem, como o Caminho da Escola. Caso isso se confirmem essas tendências, será uma boa mudança para o segmento”, explica.


Implementos Rodoviários

Bastante atrelados ao segmento de Caminhões, os Implementos Rodoviários tiveram alta de mais de 40%, até o momento, este ano, com resultados superiores aos de setembro/2021, assim como na comparação com outubro de 2020. “É um segmento que depende menos de componentes importados. Por isso, tem uma capacidade um pouco maior de atender à demanda, neste momento”, afirma Alarico.



Motocicletas

As altas seguidas, nos custos de combustíveis, o aumento nos serviços de delivery e a procura por um transporte individual e econômico mantêm a demanda por Motocicletas aquecida, ainda que os resultados, de outubro, tenham ficado abaixo das expectativas. “A baixa nas vendas ainda é reflexo da oferta menor de produtos, mas, a partir de agora, também temos que ficar atentos à alta nas taxas de juros e à maior seletividade do crédito, que podem impactar, negativamente, na demanda. Hoje, a aprovação de crédito, para o segmento, se mantém em 4,8 aprovações para cada 10 propostas enviadas”, diz Assumpção Júnior. O agendamento de entregas de motos, ao consumidor, gira entre 90 e 120 dias.


Para publicidade, apoio ou parcerias na seção Veículos entre em contato através do e-mail: publicidade@revistapubliracing.com.br

Comments


350x250.gif
300.250.png
bottom of page