top of page

Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico


Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico

No início, havia apenas o automóvel. Mais precisamente, um Opel Manta vermelho alaranjado com teto em vinil preto, integrado na coleção Opel Classic. Um típico representante da década de 1970! Um ícone de estilo. Em estado original e, de uma forma geral, em boas condições, mas um pouco desgastado, sua missão estava destinada a ser um doador de peças.


Entretanto, a ofensiva “E” da Opel estava em pleno andamento com novos modelos como o Opel Mokka-e. E assim, uma coisa levou à outra. Afinal de contas, há uma forte tendência atual para os 'restomods', veículos clássicos com motorização e equipamentos modernos. Então porque não dar ao Manta uma nova vida elétrica? Com muito torque a animar o eixo traseiro, proporcionando acelerações rápidas e silenciosas. Apenas um sonho? Não. A ideia nasceu e foi compartilhada entre entusiasmados ‘designers’, modelistas 3D, engenheiros, técnicos, mecânicos e especialistas em produtos e marcas.

Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico

Um grupo de empregados da Opel simplesmente apaixonados por automóveis.

A ideia tomou rapidamente forma. O Manta, já com 50 anos, tornou-se um filho dos nossos tempos - elétrico, sem emissões e tão emocional como uma verdadeira lenda deve ser. O Opel Manta GSe ElektroMOD nasceu, no início, apenas na mente dos seus criadores. “O GSe é uma homenagem ao Manta de outrora e, ao mesmo tempo, uma afirmação da marca para o presente. A Opel é marcante e pura, entusiasticamente diferente. Talvez diferente daquilo que seria de esperar de nós”, afirma o Chefe de Estratégia de Marca e Redes Sociais da Opel Quentin Huber.



Este grande entusiasmo chegou rapidamente aos membros da administração da Opel. Foi dada luz verde quase instantaneamente para o desenvolvimento deste projeto incomum, atrevido e deslumbrante, e a ideia de um vistoso ElektroMOD tornou-se realidade em poucos meses. Isto já tinha acontecido anteriormente, de forma semelhante, na Opel, quando um grupo de entusiastas, em colaboração com o antigo responsável de ‘design’ Erhard Schnell, concebeu um emocionante cupê desportivo por sua própria iniciativa. Esse projeto começou em 1963 e deu ao mundo automóvel o estudo Experimental GT apenas dois anos mais tarde, o qual evoluiu posteriormente para o Opel GT, fabricado entre 1968 e 1973. Mas esta é outra história.


No caso do Manta GSe ElektroMOD, a equipa de desenvolvimento preservou o fascínio original do modelo e, ao mesmo tempo, introduziu sofisticadas inovações no projeto. O expressivo Pixel-Vizor com a mais recente tecnologia LED, o ‘cockpit’ totalmente digital e, claro, a motorização elétrica alimentada a bateria.

Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico

“O Manta GSe representa a mais pura paixão pelo automóvel. Com o ElektroMOD, estamos a construir uma ponte entre a grande tradição Opel e um futuro sustentável. Esta conjugação entre o espírito de uma geração com a atualidade é absolutamente fascinante”, explica o Responsável de Design Global da Marca Opel, Pierre-Olivier Garcia, em nome da equipa Manta GSe.

Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico
Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico
Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico
Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico
Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico

Passo a passo: do clássico original ao fascinante ElektroMOD


A viagem até chegar a este automóvel de sonho começou nos salões “sagrados” da Opel Classic, mais precisamente na área onde se encontram os veículos por restaurar. Ali estava um Manta A, de cor alaranjada e com teto forrado em vinil preto, equipado com transmissão automática. A Opel Classic tinha recebido o carro em 1988, diretamente do seu proprietário original, uma senhora de Wiesbaden.


A carroçaria do Manta praticamente não apresentava ferrugem. A proprietária tinha comprado o seu Manta novo, em 1974, e utilizou-o durante catorze anos. O carro recebeu a sua nova pintura amarela néon nas oficinas da Opel, depois de ter sido eletrificado e de ter passado na inspeção da TÜV.


Sem apoios de cabeça, os bancos originais do Manta A não poderiam ter lugar num automóvel moderno. Assim, o Manta GSe ElektroMOD recebeu novos bancos Recaro, semelhantes aos do esportivo Opel ADAM S. No entanto, não foi uma troca simples e, tal como muitos dos novos componentes, tiveram de ser quase feitos sob medida na Oficina Opel Concept para poderem ser instalados no Manta.

A proprietário original do Manta A tinha escolhido, na época, uma transmissão automática, a qual ainda se encontrava em bom estado. No entanto, era uma raridade para um Manta dos anos 70 e a equipa queria utilizar a clássica caixa manual de quatro velocidades que, à época, equipava a maioria das unidades. Assim, conceberam um adaptador que permite acoplar a caixa de velocidades Opel a uma embraiagem maior. Depois precisaram de um veio de transmissão mais longo, que encontraram no armazém de peças Opel Classic. O sistema de frenagem foi adaptado ao aumento da performance do veículo. Foram instalados freios maiores no eixo dianteiro e o eixo traseiro deixou os freios a tambor para receber freios de disco.

Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico

A suspensão é firme à frente, mas mostra-se mais branda no eixo traseiro, para que o Manta tenha sempre muita tração disponível. Afinal, é o Manta A mais potente de todos os tempos, à exceção de algumas versões modificadas e de competição. A potência do motor síncrono de 108 kW (147 cv) é transmitida ao asfalto através da clássica configuração de tração traseira. A bateria de íons de lítio de 31 kWh foi instalada logo na frente do porta malas, para obter uma boa tração e um baixo centro de gravidade. Mesmo assim, o Manta GSe ainda oferece espaço suficiente para duas semanas de férias para quatro pessoas.


Após a conversão para ElektroMOD, este Manta GSe especial passou a pesar 1137 kg, cerca de 175 kg mais do que o original, mas ainda muito menos do que muitos automóveis modernos com um motor de combustão convencional. Quando conduzido normalmente, o GSe consegue uma autonomia de 200 quilómetros, mas com uma condução “mais leve”, pode conseguir ainda mais. E claro, o e-Manta pode recuperar energia como qualquer outro automóvel elétrico. Para ativar a regeneração de energia, tudo o que o condutor tem de fazer é acionar um interruptor.

Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico
Do velho Opel Manta ao GSe ElektroMOD: a mobilidade elétrica de um clássico

Estar ao volante do Manta GSe ElektroMOD é fascinante. Não só a sensação visual da combinação entre tradição e modernidade, mas também a experiência de condução. Ao rodar a chave de ignição, o motor arranca em total silêncio, obviamente. O condutor pode então selecionar a quarta marcha e simplesmente arrancar, o que o motor elétrico faz sem qualquer esforço, devido ao elevado torque disponível. Por outro lado, o condutor pode também optar por efetuar manualmente as passagens da marcha no câmbio de quatro velocidades Opel, tal como foi originalmente concebida. A velocidade máxima está limitada, eletronicamente, a 150 km/h.


Para publicidade, apoio ou parcerias na seção Automóveis entre em contato através do e-mail: publicidade@revistapubliracing.com.br

350x250.gif
300.250.png
bottom of page