top of page

Após 65 km, sete décimos separam suecos na liderança da Baja Portalegre 500


Após 65 km, sete décimos separam suecos na liderança da Baja Portalegre 500

O primeiro dia competitivo da Baja Portalegre 500 mostrou o porquê da prova do Automóvel Clube de Portugal (ACP) ser uma das mais espetaculares e desafiantes provas do calendário internacional de todo-terreno: uma imensa moldura humana que não se rendeu à chuva e às difíceis condições do percurso, enfrentado por mais de 400 concorrentes, nos pisos enlameados do Alto Alentejo. O sueco Adam Thornelius surpreendeu ao ser o mais rápido no Setor Seletivo de hoje, mas quem lidera a geral é o consagrado compatriota Mattias Ekström, com os pilotos nórdicos a mostrarem os argumentos dos Can-Am T3 nestas condições. António Maio (Motos), João Vale (Quads) e Pedro Santinho Mendes (SSV) também partem para a etapa de amanhã na liderança das respetivas categorias.


As opiniões dos pilotos no final do Setor Seletivo 2 eram unânimes. “Não foi fácil. Os pisos estão muito difíceis e traiçoeiros. Estou feliz só por estar aqui”, disse Nasser Al-Attiyah, que se estreia com o Prodrive Hunter T1+. “Um dia duro. Tanto rodamos no piso seco, como de repetente estamos na lama. Nestas condições era fácil cometer erros, por isso, estou contente com a nossa prova até agora”, afirmava o vencedor do ano passado, João Ferreira (Mini JCW Plus T1+). “Foi uma boa especial, mas dura, com muita água, muita lama. Estamos contentes por chegar ao final da etapa. O piso estava mesmo muito escorregadio", apontou Mattias Ekström, o consagrado piloto sueco – bicampeão do DTM, campeão do Mundo de Ralicross, vencedor de etapas no Dakar – que faz a sua estreia absoluta na Baja Portalegre 500, aos comandos de um Can-Am da categoria T3, navegado por François Cazalet.

Após 65 km, sete décimos separam suecos na liderança da Baja Portalegre 500

Nestas condições, os SSV da categoria T3 são muito eficazes, menos potentes e velozes do que os carros T1+, mas mais leves e ágeis, com um enorme poder de tração. Isto levou outro sueco, Adam Thomelius, navegado por Oscar Andersson, a surpreender tudo e todos nos 61,8 quilómetros do Setor Seletivo 2, já depois do regressado Nasser Al-Attiyah e de Mathieu Baumel terem sido os mais rápidos no Prólogo.


Com os tempos do Prólogo e do SS2, o estreante Ekström lidera a geral com escassos nove décimos de segundo de vantagem sobre Thomelius, dois suecos que se afirmam como fortes candidatos à vitória na prova do ACP. Al-Attiyah, ainda em habituação ao T1+ da Prodrive, está a 8,3s de Ekström, na terceira posição, com João Ferreira e Filipe Palmeiro a 29,1s do sueco, logo seguido por mais dois Can-Am, das duplas Armindo Araújo / Luís Ramalho, líderes do CPTT nos T3, e Alexandre Pinto / Bernardo Oliveira.

Após 65 km, sete décimos separam suecos na liderança da Baja Portalegre 500

Após os primeiros 65 quilómetros cronometrados desta Baja Portalegre 500, há nada menos de nove equipas separados por um minuto na geral (!), o que mostra a competitividade da prova portuguesa da Taça do Mundo FIA de Bajas.


Na categoria T1, Edgar Condenso e António Serrão foram os mais rápidos no Prólogo, mas depois tiveram problemas no turbo da Ford Ranger e perderam mais de 40 minutos no Setor Seletivo. Alexandre e Rui Franco (Mercedes 350D) lideram a categoria, na frente de Lino Carapeta e Rui António (Ford Ranger).

Após 65 km, sete décimos separam suecos na liderança da Baja Portalegre 500

Tudo em aberto

Nas motos, António Maio (Yamaha) persegue a sua nona vitória em Portalegre e colocou-se na frente da categoria no SS2, após André Sérgio (Beta) ter sido o mais rápido no Prólogo. O pluricampeão nacional lidera a geral absoluta com 43s de avanço sobre Miguel Castro (Husqvarna) e 1m24,4 sobre Bruno Santos (Husqvarna), que está na discussão pelo título nacional TT3.

Após 65 km, sete décimos separam suecos na liderança da Baja Portalegre 500


A categoria SSV é liderada por Pedro Santinho Mendes e Mário Ourives (Can-Am), que passaram para o comando após Gonçalo Guerreiro e José Pires (Polaris) terem conseguido o melhor registo no Prólogo. Santinho Mendes, ex-campeão nacional SSV e sobrinho do consagrado António Santinho Mendes, parte para a etapa deste sábado com 41,7s de vantagem sobre Gonçalo Guerreiro e 51,1s sobre o líder do campeonato à chegada a Portalegre, João Monteiro, navegado por Nuno Morais (Can-Am). Rui Serpa (Can-Am) lidera o campeonato Stock.


Nos quads, João Vale começou da melhor forma a defesa da vitória alcançada o ano passado, em Portalegre. O piloto do Can-Am Renegade dominou o Prólogo e o Setor Seletivo, tendo 1m11,2s de vantagem sobre Luís Fernandes (Yamaha), que comanda o campeonato nacional, e 1m27,8s sobre Tomás Paulo (Yamaha).


Entre os jovens talentos da Mini Baja, que têm em Portalegre a última prova do campeonato, Manuel Amaral (Yamaha) é o comandante após os primeiros quilómetros cronometrados, quer à geral quer nos Juvenis, com Simão Severino (Yamaha) a liderar os Iniciados e Francisco Porto Nunes (Yamaha) os Infantis.

Após 65 km, sete décimos separam suecos na liderança da Baja Portalegre 500

O dia decisivo

Amanhã, os concorrentes dos automóveis disputam um setor seletivo matinal, com 184,37 quilómetros cronometrados, com partida marcada para as 07h50. O decisivo setor seletivo, com 189,16 quilómetros de extensão, disputa-se durante a tarde. Os concorrentes das motos, quads e SSV, por sua vez, têm pela frente um único setor seletivo, com 303 quilómetros de extensão. E com a forte probabilidade de continuação de chuva, a prova do ACP promete emoção até ao último quilómetro.


Classificações no final da 1ª etapa em: https://www.bajaportalegre500.com/content.aspx?menuid=257

Comments


350x250.gif
300.250.png
bottom of page