top of page

A história do primeiro V12 da Lamborghini desde as suas origens até o Aventador Ultimae


A história do primeiro V12 da Lamborghini desde as suas origens até o Aventador Ultimae

Para a Lamborghini, 2022 é o ano do V12, seu lendário motor de 12 cilindros que alimenta modelos icônicos por quase 60 anos de história e se tornou um símbolo de inovação tecnológica, visão e expertise em engenharia: os fundamentos do DNA da Lamborghini.


Antes de entrar na fase de hibridização em 2023 com o advento do primeiro modelo de produção em série, a Lamborghini está prestando homenagem ao seu motor mais memorável em uma retrospectiva dos carros que o caracterizaram. O primeiro Lamborghini a sair da fábrica de Sant’Agata Bolognese em 1964 foi o 350 GT, mais recentemente levado ao centro histórico de Bolonha para um encontro épico com o mais recente V12 da história da marca, o Aventador Ultimae.



O gênio Giotto Bizzarrini e a história de um contrato 'com bônus para cada 10 cavalos de potência extra'


Para projetar o motor, Ferruccio Lamborghini escolheu um excepcional consultor externo, o engenheiro Giotto Bizzarrini, nascido em Quercianella (província de Livorno) em 1926, ainda hoje considerado um dos melhores projetistas de motores que já existiram. Bizzarrini era um grande fã de corridas e sonhava em construir um motor para a Fórmula 1.

A história do primeiro V12 da Lamborghini desde as suas origens até o Aventador Ultimae

A história do primeiro V12 da Lamborghini desde as suas origens até o Aventador Ultimae


O acordo com a Lamborghini foi simples e criou a base para algo absolutamente extraordinário: 12 cilindros em V, cilindrada de 3,5 litros e muita e muita potência: pelo menos 350 cv.


Como incentivo para a Bizzarrini, a Lamborghini incluiu no contrato um bônus para cada 10 cavalos de potência adicionais. Quando o motor funcionou na bancada de testes pela primeira vez em julho de 1963, as leituras foram espetaculares, com 360 HP a 9.000 rpm. Ferruccio Lamborghini pagou o que devia, incluindo o bônus pela potência extra, mas percebeu que estava com problemas. Na verdade, Bizzarrini projetou um motor de Fórmula 1 inadequado para uso em estrada e produção em massa.


A história do primeiro V12 da Lamborghini desde as suas origens até o Aventador Ultimae


A chegada de Paolo Stanzani: o motor foi racionalizado e atingiu mais de 250 km/h

Foi então Paolo Stanzani, um dos engenheiros mais conceituados da história da Lamborghini, que foi confiada a tarefa de “civilizar” este motor. Seu trabalho, embora capaz de manter o desempenho excepcional do motor e torná-lo agradável de dirigir mesmo em rotações médias e baixas, não alterou as especificações técnicas básicas, que em muitos pontos se tornariam inéditas para um carro produzido em série.


Sua potência máxima de 280 HP a 6500 rpm foi suficiente para impulsionar o 350 GT, o primeiro modelo Lamborghini de produção lançado em 1964, a uma velocidade máxima de mais de 250 km/h.



O primeiro cliente lança a popularidade da marca no mundo do entretenimento

O primeiro 350 GT foi entregue ao baterista de Livorno Giampiero Giusti, que estava no auge de seu sucesso com a banda “I 5 di Lucca”, que mais tarde se tornou o “Quartetto di Lucca”, considerado um dos mais importantes conjuntos de jazz na Itália. Formado no final da década de 1950, o grupo se destacou não apenas por suas credenciais jazzísticas, mas também pelo espírito de música pop, que levou à sua participação no Festival de Música de Sanremo; gravar covers de músicas dos Beach Boys e Bruno Martino; e colaborar com Enzo Jannacci.


Isso marcou o início de uma estreita relação entre a Lamborghini e o mundo do entretenimento em que muitos atores e artistas musicais se tornaram clientes apaixonados da empresa.


O mesmo carro, agora o Lamborghini de produção mais antigo existente, perfeitamente restaurado e certificado pela Polo Storico, ganhou o Best in Show na competição Lamborghini & Design realizada em Trieste e organizada em 2019 pela Lamborghini Polo Storico.

A história do primeiro V12 da Lamborghini desde as suas origens até o Aventador Ultimae

Paul McCartney e seu 400 GT vermelho

Paul McCartney, uma verdadeira lenda viva tanto como baixista e vocalista dos Beatles quanto como artista solo, é um cliente fiel da Lamborghini há muitos anos, com vários carros de diferentes modelos em sua coleção. Seu 1968 400 GT vermelho, chassis #1141 foi o carro que apareceu no vídeo filmado em 30 de janeiro de 1969 por ocasião do famoso último show da banda no telhado de seu prédio em 3 Savile Row em Londres, bem como em vários documentários sobre os Beatles. McCartney manteve o 400 GT por dez anos.



Da música ao cinema

O papel cinematográfico principal de um 350 GT foi no filme de 1967 da Columbia Pictures Kill Me Quick, I'm Cold, dirigido por Francesco Maselli, onde foi usado como meio de transporte para o casal principal, o célebre Monica Vitti e Jean Sorel.


Uma referência até a década de 1990

Desde sua estreia em 1964, o Lamborghini V12 tornou-se uma referência por seu torque, elasticidade, confiabilidade e durabilidade. A mesma unidade, com apenas modificações mínimas, permaneceria em produção até a década de 1990, crescendo para 7 litros de cilindrada com potência acima de 500 HP antes de receber modificações estruturais mais substanciais.



Visite nossa Plataforma de Compra e Venda de Veículos e tenha atendimento com especialistas que vão ajudar você a realizar o melhor negócio



 

Gostou da matéria? – Saiba que a sua contribuição é muito importante para a realização do nosso trabalho de jornalismo independente e totalmente gratuito.


Utilize a chave PIX - comercial@revistapubliracing.com.br e seja nosso parceiro -

O valor, você escolhe!


Se preferir outra forma de contribuição (cartões), acesse aqui


Para publicidade, apoio ou parcerias na seção #Clássicos entre em contato através do e-mail: publicidade@revistapubliracing.com.br

350x250.gif
300.250.png
bottom of page