• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Revista Publiracing

Avaliação: A elegância do Citroën C3 ganhou estilo irreverente com a versão UrbanTrail


Um dos mais interessantes modelos de carroceria hatch compacto disponibilizado no país ns últimos anos é o francês Citroën C3. Verdade que suas vendas nunca dispararam no segmento, mas não por falta de qualidade, já que o produto é elegante, de ótimo conjunto mecânico, e esteticamente muito apelativo.

No Brasil o modelo ainda não foi atualizado como aconteceu na Europa, somando mais de cinco anos desde sua última grande intervenção, no entanto, seu design moderno e atraente lhe permitiu resistir aos anos apenas com pequenos retoques pontuais, mas que foram deixando o C3 ao nível das restantes propostas do mercado.

Uma das soluções vêm sendo as versões que de alguma forma apelam para um público especifico, caso da versão que é alvo de nossa equipe neste teste, o C3 UrbanTrail.

Lançado no mercado em 2018 ele apela principalmente para os pormenores estéticos para dar uma identidade mais aventureira no dia a dia da cidade.

São destaques, o teto bi-ton na cor preta, as exclusivas rodas de aro 16, e principalmente as características peças chamadas de Airbumps, que nada mais são que proteções laterais das portas, mas que além de protegerem o veículo nas rotineiras manobras de uma cidade, ainda dão um aspecto diferenciado para a proposta. Os espelhos retrovisores são na cor cinza graffito e com regulagem elétrica.

Ainda harmonizando com as referidas peças, as proteções plásticas da caixa de roda, que dão, na medida certa, o toque de irreverencia ao modelo. Os para-choques, tanto dianteiro como traseiro são na cor Vermelho Rubi da unidade testado por nós.

Como não podia deixar de ser, em se tratando de um Citroën, os três níveis do grupo ótico dianteiro são uma característica também no pequeno C3 UrbanTrail , quem tem os faróis principais em nível superior, o DRL de condução diurna em posição central e mais abaixo os faróis de neblina. A elegância do modelo é realçada pelo cromado que percorre toda a grade frontal até ao centro, onde o destaque é naturalmente o duplo Chevron, símbolo da marca. Já na traseira as grandes lanternas são também elas uma característica do modelo, muito bem integradas na carroceria, dão a medida do quanto é harmonioso o design do modelo.

Através de alguns packs vendidos separadamente é ainda possível adicionar pormenores como capas de retrovisores cromados, jogo de frisos laterais, barras de teto transversais e porta bicicleta. Ainda muito elegante e esportivo, e numa exclusividade das versões equipadas com motor 1.6 a ponteira de escapamento cromada, dando todo um charme especial para a traseira do C3.

Para finalizar nossa observação externa, referência para o logo da versão Urbantrail que fica visível em posição superior nas portas dianteiras. Já nas principais dimensões, tudo igual em relação às versões do modelo já disponibilizadas no Brasil.

São 3.955 mm de comprimento, 1.994 mm de largura com os retrovisores, 1.530 mm de altura e 2.460 mm de distância entre os eixos, o que imediatamente nos remete para o interessante habitáculo do modelo que já conhecemos de outras versões, espaçoso, confortável e onde a principal ausência (muito sentida) é o para-brisa do tipo Zenith, que sem duvida é uma característica do modelo, e que tem a capacidade de ampliar o horizonte para os ocupantes do modelo francês produzido no Brasil.

Mesmo sem esta superfície em vidro de grandes dimensões, ele continua apresentado uma ótima integração com o mundo externo, oferecendo ótima visibilidade, tanto para o condutor, como para o restante dos ocupantes.

Já que falamos do espaço generoso do hatch compacto produzido em Porto Real, referencia para os 300 litros de volume disponibilizados no compartimento do porta-malas.

Bem equipado desde as versões iniciais, ele vem com ar condicionado digital, central Multimídia com tela de 7 polegadas, com AM/FM, MP3, Bluetooth e som distribuído por 4 alto falantes e 2 tweeters. Para integração com o celular os sistemas Apple Car Play e MirrorLink.

Vidros elétricos nas quatro portas, mas apenas o do motorista com dispositivo “um toque”, apoios de cabeça apenas para duas posições no banco traseiro, deixando a posição central órfã deste item. Já em relação à segurança, as bolsas de airbag são apenas duas, frontais, e exclusividades para condutor e passageiro.

Mas o que faz do C3 uma proposta muito interessante é a soma de um habitáculo confortável com um conjunto mecânico de muita qualidade. Para preparar de forma correta nosso teste dinâmico ajustamos o banco e a direção (altura e profundidade) encontrando facilmente uma prazerosa posição de condução, com ampla visão, e de fácil acesso aos comandos principais do modelo.

Com apenas duas opções de motorização atualmente, a 1.2 PureTech de três cilindros e o que equipa a nossa versão, o 1.6 VTi 120 Flex Start, este motor (1587 cm³) é um quatro cilindros de 16 válvulas, injeção eletrônica e que entrega 118 cv a etanol (115 cv com gasolina) disponibilizados nas 5 750 rpm para ambos os combustíveis.

As referencias de fábrica em relação ao torque antecipam um pouco o tipo de comportamento do conjunto, com 16,0 kgfm totalmente disponível apenas em elevadas 4 750 rpm. No entanto, este motor casa na perfeição com o excelente câmbio automático sequencial de seis marchas. O C3 é muito confortável no deslocamento, as passagens de marcha são inteligentes e muito corretas, interpretando de forma muito acertada a força exercida no pedal direito, e permitindo com isso um deslocamento progressivo e suave. Ajudando na sensação de total conforto, destacamos ainda a ótima configuração da suspensão, McPherson, independente com barra estabilizadora na dianteira, e eixo de torção na traseira. Com isso o C3 é muito confortável de dirigir, absorvendo com muita capacidade as irregularidades nas ruas e avenidas da cidade. Como manda a tradição da marca francesa, o foco foi mesmo o conforto.

Mais um fator contribuinte para o conforto geral do C3 UrbanTrail são os pneus de medida 195/55 R16, muito adaptados à proposta, tornam o deslocamento muito suave, sendo parte ativa no baixo nível de ruídos externos que chegam na cabine, adicionando aí um bom acabamento do habitáculo, com peças bem integradas, o que ajuda na constatação que estamos a falar de um dos mais interessantes hatch compactos atualmente disponíveis no mercado brasileiro.

Importante também falar dos freios, de disco ventilado na frente e tambor atrás, incorporam ainda sistemas ABS e REF (Repartidor Eletrônico de Frenagem), são de configuração tradicional e conservadora, mas suficientes para manterem um bom nível de segurança no conjunto.


Quem também deixou boas referências foi a direção elétrica de assistência variável, responsável por entregar manobras rápidas e precisas, complementando um conjunto mecânico, que como referimos, privilegia o conforto e economia de combustível, com passagens de marcha muito suaves e corretas, absorção das irregularidades nos péssimos pisos da cidade de São Paulo e ainda um comportamento bem equilibrado em estrada. É aquele hatch que anda conosco toda a semana e encara sem medo uma boa autoestrada.

Com 55 litros de capacidade em seu tanque de combustível o UrbanTrail tem valores de referencia idênticos aos seus irmãos que utilizam o mesmo motor e câmbio. Em nosso teste, e abastecido com etanol, o C3 chegou ao final de nossa avaliação com uma média (circuito misto) de 8,4 km/l, o que o deixa na média dos seus concorrentes quando utilizando a alternativa ecologicamente brasileira de combustível que é o etanol.

Já em relação ao desempenho nas concessionárias, o C3 não chega a atingir um volume de vendas expressivo, pelo contrário, o que acaba por contrariar a qualidade do produto, que como referimos, já não é jovem, mas que continua bem atual, olhando para o cenário do segmento.

No entanto, ele ainda não consegue vencer a preponderância dos modelos mais vendidos no segmento, casos do Onix da Chevrolet, Hyundai HB20, Ford Ka e Fiat Argo. Sua disputa por números bem inferiores é com seu primo de PSA o Peugeot 208 (outro ótimo modelo), o Ford Fiesta e ainda o Nissan March. A Citroën comercializou 300 unidades do C3 em abril e 320 em maio, resultando um volume de 1722 veículos emplacados ao longo de 2019, segundo a Fenabrave. Para se ter uma ideia do abismo em termos de vendas em relação ao líder absoluto do mercado à mais de três anos, o Onix, já viu saírem das concessionárias 97 408 unidades até final de maio, numa diferença que nada tem a ver com a qualidade do produto, mas muito mais consequência de fatores como a quantidade de concessionários espalhados pelo país, e ainda bem menor no caso do grupo francês, já que, no pós venda, o salto em frente dado pela PSA já é praticamente um consenso para quem acompanha de perto o mercado automobilístico brasileiro.

Resumo do Editor – O Citroën C3 UrbanTrail mantem as principais (boas) características do restante da linha. Com duas motorizações (1.2 e 1.6), e versões que começam em R$ 53.990 (PureTech 1.2), passando pelo completo Auto Exclusive vendido por R$ 69.990 ou ainda, mais recentemente, a versão de aniversário dos 100 anos da marca com preço sugerido de R$ 71.990. Já a versão testada pela nossa equipe tem preço de R$ 65.990, e se perde em alguns itens de segurança e praticidade como a multimídia, já não tão jovem, ou ainda as ausências da câmera de ré e sistemas de fixação para cadeirinha infantil, ele é, ainda assim, um produto de excelente qualidade, principalmente no ambiente interno, espaço e no ótimo conjunto mecânico. Esteticamente a versão é de apelo bem interessante, aventureiro e jovem, mas mantendo a elegância característica do pequeno hatch. Um produto ainda muito interessante, apesar dos anos e das ausências.

Citroën C3 UrbanTrail

Design 8

Espaço e Conforto 8 Tecnologia e Conectividade 6

Acabamento 7

Motor / Consumo 7

Transmissão 7

Suspensão 8

Direção 7

Freios 7

Segurança e Auxílios 6

Total 71

#TESTEAVALIAÇÃO #CITROENC3 #CITROEN #OPINIÃO

Laja Revista Publiracing