• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Revista Publiracing

Avaliação: Com design moderno e bem equipado, Nissan Kicks continua agradando


Na disputa por um segmento tão competitivo como o dos SUVs compactos, apenas quatro modelos terminaram 2018 com mais de 45 mil unidades emplacadas, foram eles o líder, Hyundai Creta, o Honda HR-V, o Nissan Kicks e o Jeep Renegade, que terminaram por esta ordem o acumulado de licenciamentos no ano. Nesta disputa tão interessante, as marcas tentam reunir nos seus produtos os argumentos “base” do segmento, que são eles, inicialmente uma posição mais elevada de condução, um pouco mais de liberdade pela altura em relação ao solo, o conforto, a otimização do espaço pelo formato compacto das propostas e a cada vez mais importante tecnologia, tanto aplicada ao entretenimento e informação como à segurança, isto sem esquecer o óbvio, o design. E a todos estes argumentos adicionamos o não menos importante e determinante na hora da compra, preço final.


Pela importância que representa em face do seu continuo crescimento, o segmento de SUVs compactos vem merecendo cada vez mais atenção por parte das marcas, seja através de novas propostas, ou ainda pela atualização das já disponibilizadas, montadoras que parecem ter escolhido a “virtual” linha de referência em torno dos 95 mil reais para as versões mais completas, e quem consegue oferecer uma proposta competitiva sem se distanciar muito desta barreira pode levar vantagem.

Esta é então uma das vantagens do modelo alvo de nossa atenção esta semana, o Nissan Kicks, que inicia sua oferta de sete versões com a inicial S, de transmissão manual, entregue na concessionária por R$ 73.990, ou a mais equipada de todas elas, a SL, com transmissão automática, e que tem como preço de referência R$ 98.990. A Nissan ainda oferece em seu catálogo para o Kicks uma versão que adiciona um Kit estético com base na versão SL e vendida por R$ 101.390.

Ao ultrapassar por pouco a referida linha virtual dos R$ 95 Mil, e oferecendo um pacote equilibrado entre, estética, conforto e tecnologia, o Kicks vem agradando ao brasileiro, que retirou das concessionárias em 2018 nada menos que 46 812 unidades, segundo os dados da Fenabrave, o que posicionou o veículo como o terceiro mais vendido ao longo do ano no segmento de SUVs compactos.

Além do preço competitivo, outros argumentos fazem do Kicks um sucesso, e seu design moderno é claramente um deles, especialmente nas versões de duas cores como foi o caso da avaliada por nós neste teste.

Os para-choques frontais (com faróis de neblina) e traseiros são na cor do veículo, assim como os retrovisores externos que são rebatíveis automaticamente e com indicador de direção em LED, já no caso das versões de duas cores como a nossa (teto escuro), os retrovisores são Preto Premium. Outra forte referência do Kicks é grade frontal que utiliza o cromado como acabamento, material ainda utilizado nas maçanetas externas das portas e que harmoniza muito bem com o Rack de teto longitudinal na cor prata. Destaque ainda para o elegante aerofólio traseiro e as bonitas rodas de liga leve de 17" onde são instalados pneus de medida 205/55 R17 e formando assim um pacote estético de apelo moderno, que sem perder a jovialidade da proposta, não deixa de lado a elegância que é referência da marca japonesa.

O acesso ao interior é realizado através do sistema de chave inteligente presencial (I-Key), que permite ainda através do controle remoto, a abertura do porta-malas e abertura e fechamento dos vidros dianteiros e traseiros.

De espaço generoso na frente, e um pouco mais limitado atrás, principalmente para quem viaja no meio, o Kicks oferece, no entanto, todas as condições para uma viagem agradável onde o conforto e o bem estar estão presentes.

Acabamento dos bancos e detalhes das portas é em couro, material ainda utilizado para dar sofisticação ao volante (três raios com regulagem em altura e profundidade) e na manopla do câmbio, que além do revestimento em couro apresenta ainda elegantes detalhes cromados. Os vidros dianteiros e traseiros são elétricos com sistema "one touch" e antiesmagamento.

Continuando nossa observação interna, referência para a presença do encosto de cabeça nos cinco lugares, o banco traseiro bipartido 60/40, dobrável, o do motorista com regulagem em altura (manual) e os dianteiros com a tecnologia Zero Gravity sem esquecer os fixadores traseiros para cadeiras de crianças (ISOFIX) e os cintos de segurança, que são de três pontos para todos os cinco lugares. Porta objetos, como revistas ou copos, entre outros, também estão espalhados de forma útil pelo veículo.

Um dos elementos que mais gostamos no Kicks é o posicionamento e integração da tela colorida de 7” do sistema multimídia, no elegante painel em couro na cor sand e o que para nós é um dos diferenciais do Kicks. Logo abaixo, e mais uma vez em ótima posição os comandos do ar-condicionado digital.

Já que falamos em sistema multimídia, o do Nissan Kicks SL é a mais recente atualização do sistema com multiapp, rádio com função RDS, CD e DVD player, entradas auxiliares para MP3 Player, USB, ainda disponibilizando a conexão à internet através de wi-fi pela plataforma Android, com a possibilidade de download de aplicativos e conectividade com CarPlay e Android Auto. O sistema de áudio evoluiu em relação a versões avaliadas por nós anteriormente e entrega o som através de 4 alto-falantes e 2 tweeters e já está no patamar de um dos melhores do segmento. Ainda através da tela é disponibilizado o sistema de Visão 360°com imagem integrada ao display, além das informações do sistema de navegação.

Antes de falarmos das questões mecânicas e teste dinâmico, um destaque para o painel de instrumentos multifuncional em HD com 12 funções, onde através da escolha que pode ser feita no volante o condutor opta por colocar em destaque informações de sua preferência tais como, conta-giros digital, consumo de combustível, informação de GPS, controle dinâmico de chassi, computador de bordo, configurações do veículo, histórico de consumo de combustível, informação de áudio, relógio, temperatura do motor e externa, e ainda, se estiver meio perdido, uma bússola. Tudo isso você pode destacar no seu painel de instrumentos de forma dinâmica, com a informação a ser disponibilizada de forma muito elegante e prática.

O Nissan Kicks vem também com alguns mimos, muitos deles já imprescindíveis para quem vai na concessionária em busca de um veículo deste padrão. Itens como alarme perimétrico, detector de objetos em movimento, sensor de estacionamento, limpa para-brisas traseiro e acendimento inteligente dos faróis. Resumindo, o interior do Kicks é moderno, elegante e com bom espaço, inclusivamente no porta-malas que disponibiliza 432 L de espaço, entregando ainda um acabamento bem interessante, com qualidade nos materiais utilizados e permitindo viagens sem ruídos indesejáveis e bom isolamento acústico. Em nossa opinião o “pecado” da Nissan é a ausência de um teto solar, o que entregaria ainda mais charme ao modelo agregando muito na interação com o exterior.

Hora de dar partida ao motor, o que é feito através do botão Push/Start e já devidamente instalados no banco do condutor que permite através dos ajustes uma ótima posição de condução. O Nissan Kicks tem uma motorização única para todas as versões do catálogo, é o 4 cilindros de 16 válvulas 1.6L (1.598 cm³) Flex, que entrega 114 cavalos às 5.600 rpm e toque de 15,5 Kgfm às 4.000 rpm. Este motor trabalha em conjunto com a transmissão automática XTronic CVT, que apesar da opção (em botão) por um modo Sport, apenas permite que o veículo de tração dianteira e 1.136 kg (muito leve para o segmento) tenha um desempenho bem direcionado para o perfil urbano de condução, sem muita capacidade para grandes acelerações ou retomadas. O foco da marca foi claramente a economia de combustível e o conforto, algo que sem dúvida foi conseguido, no entanto em estradas, e especialmente quando é necessária uma aceleração mais forte ou retomada da velocidade, como é o caso da situação de ultrapassagem a veículos longos, esse tipo de manobra para ser totalmente segura tem que ser realizada aproveitando uma velocidade superior já previamente desenvolvida pelo Kicks.

Para quem é mais exigente, mas não quer abdicar de todas as qualidades do modelo fabricado em Resende (RJ), a Nissan poderia oferecer a versão topo de linha com uma motorização mais capacitada, uma preocupação que as marcas vêm mostrando, casos da Hyundai com a versão 2.0 do Creta, a recente chegada do motor THP equipando o Cactus da Citroën ou ainda a já prevista chegada do motor 1.5 turbo no HR-V da Honda. O segmento se prepara assim para ampliar horizontes, permitindo chamar a atenção não só do cliente “tradicional”, que busca as características básicas dos SUVs urbanos, mas acenando já para um publico de perfil mais exigente na hora de acelerar.

Mas como o objetivo da Nissan é claramente o perfil mais urbano, é direcionada a essa realidade que temos que interpretar as soluções aplicadas, e elas agradam com distinção em questões que têm a ver, por exemplo, com segurança.

O Kicks vem equipado com airbag frontal para todas as versões, adicionando bolsas laterais e de cortina no caso da versão SL, já o alerta de colisão com assistente inteligente de frenagem é opcional.

Controle de tração e estabilidade (VDC – Vehicle Dynamic Control), controle inteligente de freio-motor (Active Engine Brake), controle inteligente em curvas (Active Trace Control), estabilizador inteligente de carroceria (Active Ride Control), além dos freios ABS com controle eletrônico de frenagem (EBD) e do sistema inteligente de partida em rampa (HSA); tudo isso são tecnologias que tornam o Kicks um veículo, além de divertido e confortável, muito seguro.

A direção elétrica com assistência variável torna fáceis e rápidas as manobras no dia a dia de uma grande metrópole como São Paulo. Espaços reduzidos exigem movimentos precisos e rápidos, e o Nissan Kicks agradou também neste quesito. Já a suspensão Independente tipo McPherson na frente e eixo de torção na traseira apresenta uma configuração que deixa ela macia o suficiente para absorver irregularidades e manter o conforto, ao mesmo tempo que mantem a carroceria em níveis de inclinação sempre muito interessantes, inclusivamente em alta velocidade, e sempre lembrando das dimensões bem compactas do modelo.

O SUV da Nissan apresenta 4.295 mm de comprimento com 2.610 de distância entre eixos, 1.590 de altura e 1.760 de largura. Ainda como características que influenciam sua dinâmica, os 200 mm de altura livre em relação ao solo, bem como os 20° de ângulo de ataque e 28° de saída.

Por último a escolha da marca por um conjunto de soluções para os freios mais “conservadora”, com ABS ele tem o já comentado controle eletrônico de distribuição de força (EBD) através de discos ventilados na frente e tambores traseiros, mas não sendo claramente um dos seus pontos fortes.

Já o consumo foi algo que a Nissan se preocupou bastante, por isso mesmo a escolha por um motor não tão potente (e “guloso”), a própria transmissão do tipo CVT, não sendo uma unanimidade em desempenho, reduz sem dúvida o consumo, além do importantíssimo baixo peso do veículo de apenas 1136 kg. A título de curiosidade, e só para citar os mais importantes rivais do modelo japonês, o Honda HR-V tem algo em torno de 1275 kg de peso, o Creta 1.6 AT tem peso ainda maior de 1.296 kg, e no outro extremo, e o mais pesado dos quatro modelos mencionados no inicio de nosso texto, o Jeep Renegade, com 1.393 kg.

Com o nosso veículo sempre abastecido com etanol, ele conseguiu médias muito interessantes, oscilando entre os 7,5 km/l na cidade e 9,2 km/l em estrada. Se abastecido com gasolina, teste não realizado por nós desta vez, mas segundo os testes do INMETRO, ele pode fazer com gasolina de 11,4 km/l a 13,7 km/l, em condução urbana e estrada, respetivamente. O problema é mesmo seu tanque de combustível, de apenas 41L, ele torna frequente a irritante visita ao posto.

Resumindo, o Nissan Kicks é uma ótima proposta para o perfil da grande maioria dos compradores que opta pelo expressivo segmento dos SUVs compactos e que apenas deseja levar para casa um veículo com as qualidades do nosso japonês, nomeadamente posição de condução mais elevada, de design moderno, interior que além de espaço entrega qualidade de acabamento e conforto, bem equipado, níveis interessantes de recursos nos quesitos interatividade e conectividade, além de soluções tecnológicas que entregam níveis importantes de segurança e eficiência energética. Este perfil de condutor privilegia a economia e o conforto em detrimento da agilidade, e aí o Kicks SL se torna uma escolha praticamente perfeita. O SUV da Nissan apenas deixará a desejar se o condutor sair um pouco do perfil mencionado, e exigir um pouco mais de agilidade, aí sim, poderá haver frustação.

NISSAN KICKS SL

Design 8

Espaço e Conforto 7

Conectividade e Tecnologia 8

Acabamento 8

Motor / Consumo 6

Transmissão 7

Suspensão 7

Direção 7

Freios 6

Segurança e Auxílios 8

Total 72

#TESTEAVALIAÇÃO #OPINIÃO #NISSAN #NISSANKICKS

Laja Revista Publiracing