• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Revista Publiracing

Em expedição, Nissan Frontier retorna às origens do Brasil no coração de Minas Gerais


O primeiro dia da expedição “Expedição Nissan: À procura do início do Brasil”, que vai ajudar a divulgar os principais sítios de arte rupestre do país, foi marcado pelo encontro dos convidados com as origens do Brasil. A caravana de 14 Nissan Frontier entrou em uma “máquina do tempo” e faz uma volta de mais de 10 mil anos no tempo ao visitar alguns dos locais de Minas Gerais que estão entre os mais antigos e importantes sítios arqueológicos do mundo.

Os aventureiros da expedição puderam conhecer de perto o crânio da Luzia, no sítio arqueológico da Lapa Vermelha. Trata-se do fóssil humano (“Homo Sapiens”) mais antigo encontrado na América – a estimativa é que tenha entre 12.500 a 13 mil anos. O fóssil pertenceu a uma mulher de cerca de 20 anos de idade, segundo pesquisas. O nome foi dado pelo biólogo Walter Alves Neves.

O crânio foi encontrado no início dos anos 1970 pela missão arqueológica franco-brasileira. Descoberto em escavações na Lapa Vermelha, em uma gruta famosa pelos trabalhos do cientista Peter Lund (que dá nome ao museu do Parque Estadual do Sumidouro), que descobriu, entre 1835 e 1845, milhares de fósseis de animais extintos, além de 31 crânios humanos em estado fóssil.

A atividade seguinte foi o plantio de mudas de Ipê Amarelo no “Abrigo da Samambaia”. A frota de Nissan Frontier seguiu então para a trilha do Sumidouro. Lá, os jornalistas e convidados subiram até o mirante da lagoa do Sumidouro, onde é possível visualizar toda a região de entorno. Em seguida, visitaram o paredão da lapa do Sumidouro, que tem pinturas rupestres de milhares de anos. As atividades do primeiro dia terminaram na Casa Fernão Dias, Patrimônio Cultural tombado pelo IEPHA – Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico onde é contada a história do bandeirante, que por alguns anos se instalou na região.

“Expedição Nissan: À procura do início do Brasil"

O conceito do projeto segue o compromisso da Nissan de estar cada vez mais presente no dia a dia dos brasileiros e, assim, une os produtos da marca com ações que contribuam com o país. No caso, contribuir com a cultura e a pesquisa científica ao divulgar o rico acervo de pinturas rupestres do Brasil, que muitas vezes é mais conhecido e admirado por estrangeiros do que pelos brasileiros. Algumas das pinturas deixadas pelos primeiros habitantes de nosso país chegam a ter 12 mil anos e serão visitadas durante o projeto.

Além de Minas Gerais, a frota de picapes Nissan Frontier vai percorrer estradas e caminhos off road de diferentes estados do Brasil, como Piauí, para levar jornalistas e convidados a uma volta no tempo para conhecer diferentes sítios de pintura rupestre e também ver o trabalho dos profissionais e pesquisadores que ajudam a mantê-los.

#NISSAN #NISSANFRONTIER

Laja Revista Publiracing
Pensando em vender seu veículo? - Nós compramos !