• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
Revista Publiracing

Alpine conquista título mundial na categoria LMP2 do WEC


Coroando uma temporada excepcional, pontuada por quatro vitórias – dentre as quais as 24 Horas de Le Mans – a equipe Signatech-Alpine conquista antes da hora os títulos de Equipes e Pilotos na categoria LMP2 do Campeonato Mundial FIA de Endurance*.

Conforme destacado por Michael Van der Sande, Diretor Geral da Alpine, “este título mundial conquistado na pista é uma formidável injeção de motivação para as equipes que trabalham no modelo de produção em série, que será comercializado no ano que vem”.

Esta participação em competições está intimamente ligada ao renascimento da Alpine. Desde 2013, quando o Grupo Renault anunciou a concepção da Berlinette do século XXI, a equipe Signatech-Alpine lançou sua participação no campeonato European Le Mans Series para acompanhar esta renovação.

Este programa dá continuidade ao glorioso passado da Alpine em Endurance, marcado principalmente pelo título de Campeão da Europa de Carros Esportivos de 2 litros em 1974 e a vitória do carro A442B de Pironi e Jaussaud nas 24 Horas de Le Mans, em 1978.

Após duas temporadas com muita garra, pontuadas por títulos europeus, a escuderia que defende orgulhosamente as cores da França passou avançou para o campeonato FIA WEC. Dedicando-se inicialmente ao aprendizado, a campanha de 2015 permitiu que o carro Alpine A450b de conquistar sua primeira vitória nas 6 Horas de Xangai.

Para este ano, as ambições aumentaram com a participação de dois novos Alpine A460: além do n° 36, número associado à escuderia Signatech-Alpine desde 2013, o segundo carro levava a bandeira da equipe Baxi DC Racing Alpine.

Conquistando vitórias em Spa-Francorchamps, Le Mans, Nürburgring e Austin, a Alpine tinha condições de ambicionar o título neste fim de semana, durante as 6 Horas de Xangai.

Durante os treinos classificatórios, Nicolas Lapierre e Gustavo Menezes classificaram o carro n° 36 da Signatech-Alpine na segunda posição. Já no carro n° 35 da equipe Baxi DC Racing Alpine, David Cheng e Ho-Pin Tung ficaram em décimo.

Desde a primeira curva, certo frenesi tomou conta do pelotão. Enquanto que Nicolas Lapierre liderava a categoria LMP2, por pouco Ho-Pin Tung evitou uma colisão que aconteceu bem na frente de seu carro!

Tentando economizar seus pneus sob um forte calor, Nicolas não apresentou grande resistência a Alex Brundle (n° 26), que assumiu a liderança após aproximadamente meia hora.

Pouco antes do fim de seu segundo revezamento, Ho-Pin Tung foi acertado por um GT no final da longa linha reta. O piloto da Baxi DC Racing entrou rapidamente nos boxes e a equipe trocou o capô antes do Alpine A460 n° 35. Paul-Loup Chatin fez o revezamento, enquanto que Gustavo Menezes substituía Nicolas Lapierre no n° 36. Os dois carros foram equipados com pneus duros, em substituição aos médios utilizados desde a largada.

Quando ocupava o terceiro lugar, Gustavo Menezes rodou devido a uma manobra de Bruno Senna (n° 43). Felizmente, o carro da Signatech-Alpine conseguiu continuar sua corrida sem ter sofrido danos, enquanto que o carro rival ao título sofreu uma penalidade.

Após os dois revezamentos de Stéphane Richelmi, Nicolas Lapierre recuperou o volante faltando 1h30 do fim da prova. Como não podia partir para a vitória, o francês se concentrou no ritmo do carro n° 43. Ele cruzou a linha de chegada na quarta posição, com a comemoração de toda a equipe que se acotovelava na mureta dos boxes, alegria que foi compartilhada pela equipe da Baxi DC Racing Alpine. Ho-Pin Tung, que havia revezado depois de David Cheng, terminou a prova correndo em casa na oitava fileira.

Em quatro temporadas, a Alpine rapidamente chegou ao mais alto degrau dos pódios. Esta história de sucesso à francesa ilustra a capacidade da Alpine de enfrentar desafios, tanto nas pistas como nas estradas. Dentro de alguns meses, a apresentação de um cupê esportivo, moderno, elegante e fabricado na França será uma nova etapa nesta renovação. A Alpine está de volta… e isso é só o começo!

Bernard Ollivier, Diretor Geral Adjunto da Alpine: “Vivemos um fim de semana inesquecível em Xangai, com muita emoção e entusiasmo, principalmente com o carro da Baxi DC Racing Alpine. Na pista, a equipe teve que enfrentar um grande desafio em matéria de gestão dos pneus. Também havia a necessidade de combinar prudência e ofensiva para proteger nossa posição. E o objetivo foi alcançado, com fim de corrida espetacular para Nicolas Lapierre, que mostrou aos nossos adversários que estamos aqui para vencer! O título mundial conquistado pela Signatech-Alpine é uma consagração de uma aventura humana, iniciada em janeiro de 2013 com o lançamento de uma participação da Alpine em campeonatos de endurance.

Quatro anos mais tarde, conquistamos muitas vitórias, e eu jamais imaginaria que conseguiríamos isso tão rápido. Estes três títulos são o fruto da força e profissionalismo de cada membro da equipe. Todos aqueles que contribuíram para este projeto desde a gênese devem se sentir orgulhosos esta noite. Esta aventura esportiva é uma grande contribuição para a política de renascimento da Alpine, que em breve se concretizará com a apresentação de nosso primeiro modelo. Durante a última prova, poderemos lugar pela vitória sem pressão, com a única vontade de honrar nossa participação com a garra característica da Alpine”.

Philippe Sinault, Diretor da Equipe Signatech-Alpine: “No início da temporada, jamais sonharíamos com este título. Ele traz grande orgulho para nossa equipe. O sangue azul corre nas veias de cada mecânico, cada engenheiro e cada piloto de nossos carros A460! Em Xangai, percebemos o grande desgaste dos pneus durante os treinos livres. Por isso, fizemos os treinos classificatórios com um piloto utilizando pneus duros e o outro com médios. Esta opção nos obrigou a reutilizar os pneus duros na corrida, em razão das quotas impostas pela regulamentação. Gustavo e Paul-Loup sofreram durante seus revezamentos, mais fizeram um trabalho neste contexto. Ao final da corrida, recuperamos nossa performance disputando o terceiro lugar com o n° 36. Entretanto, a quarta posição seria suficiente para conquistar o título. É um pouco frustrante não subir no pódio, mas atingimos nosso objetivo com este terceiro título em quatro anos. E isso exatamente no momento em que a Alpine prepara a revelação de seu novo cupê, o que dá ainda mais sentido à nossa história em conjunto. Quero parabenizar as outras equipes que correm na categoria LMP2. O nível foi bastante elevado neste ano e nossos adversários nos pressionaram em todos os momentos. Agora, queremos vencer de forma exemplar no Bahrain”!

A JORNADA RUMO AO TÍTULO DO CARRO N° 36 DA SIGNATECH-ALPINE

17 de abril – 6 Horas de Silverstone

Para a primeira corrida do carro Alpine A460, a equipe tem muito a aprender, principalmente em termos de comportamento dos pneus em pista úmida. Durante a corrida, a Signatech-Alpine sobe para a terceira posição, mas um pneu furado custa um lugar à equipe, que termina a prova quase subindo ao pódio.

7 de maio – 6 Horas WEC de Spa-Francorchamps

Cheia de reviravoltas, a etapa belga do campeonato FIA WEC é decidida na última hora. Após ter perdido a vantagem atrás do carro de segurança, Nicolas Lapierre é obrigado a passar pelos boxes para abastecer. Ele fica em segundo mais recupera rapidamente a liderança, graças a uma ultrapassagem audaciosa sobre o carro de Derani! O Alpine A460 conquista sua primeira vitória.

18-19 de junho – 24 Horas de Le Mans

Autores de uma corrida perfeita contra toda a raça dos seus 22 concorrentes, Lapierre, Richelmi e Menezes constroem a vitória durante a noite. Extremamente reativa, a equipe não pensa duas vezes para adaptar sua estratégia em função do desenrolar da corrida. Assim, o Alpine A460 n° 36 faz uma parada logo cedo. Após 4864,86 km, ele cruza a linha de chegada na liderança de sua categoria e na quinta posição da classificação geral, igualando ao melhor resultado de um LMP2 em Le Mans. Vale notar que este resultado foi conquistado com dois “novatos” na equipe.

24 de julho – 6 Horas de Nürburgring

Nem pensar em se contentar com o resultado de Le Mans! Na Alemanha, a equipe Signatech-Alpine conquista sua terceira vitória consecutiva. Liderando a partir da metade da corrida, Gustavo Menezes gerenciou perfeitamente as várias neutralizações para que Nicolas Lapierre pudesse terminar o trabalho tranquilamente!

3 de setembro – 6 Horas do México

Após a temporada europeia, o FIA WEC chegou ‘com armas e bagagem’ no continente americano. Em meio a um público absolutamente entusiasmado, a Signatech-Alpine assumiu a liderança na metade da corrida. A chegada da chuva não mudou a conjuntura, mas o carro n°36 perdeu a liderança devido a um ‘drive through’. Nicolas Lapierre tentou recuperar nas últimas voltas, cruzando a linha de chegada a menos de dois segundos dos vencedores!

17 de setembro – 6 Horas do Circuito das Américas

Pela primeira vez na temporada, a Alpine conquista a pole position, mas estar ao volante sob aquele calor sufocante se igualava a uma pena. E assim Stéphane Richelmi realiza o feito fazer um duplo revezamento. Esta fase decisiva permite que o n° 36 fique com uma volta de vantagem. Para sua prova correndo em casa, Gustavo Menezes teve a honra de cruzar a linha de chegada como vencedor!

16 de outubro – 6 Horas de Fuji

Com o objetivo de economizar uma parada em toda a corrida, a Signatech-Alpine muda sua estratégia. Desde o fim do primeiro revezamento, Nicolas Lapierre passa o volante a Stéphane Richelmi. Após o revezamento de Gustavo Menezes, Lapierre recupera o volante para o fim da corrida. Logo atrás dos líderes até o fim, ele passa pela bandeira quadriculada na terceira posição.

A temporada termina em duas semanas, com as 6 Horas do Bahrein (19 de novembro).

#WEC #AUTOMOBILISMO #ALPINE

Laja Revista Publiracing